Navegando em Tag

simplicidade

Ô beleza!

> Look: Meu Básico Preferido – II

19/04/2016

| Fotos: Amanda Marques |

Mais um look aqui no blog e, mais uma vez, acompanhada do meu Barbinha. Acho que nem preciso dizer né? O conforto reina na nossa vida. Não só na moda, na decoração… em tudo. Se não estamos confortáveis, não dá.

I+F-10-2I+F-5-17 Obviamente que unimos nossos gostos e jeitinhos a tudo isso. Acho que esse é o bom da idade. A gente vê tendências, ideias, inspirações e aprendemos a montar algo que transpareça aquilo que somos, sem fazer esforços. Afinal, a vida precisa ser natural e muito bem vivida. Seja de scarpin ou rasteirinha.

I+F-3 I+F-8-20

Essas foram algumas peças mais lisas e cleans que estão no meu armário agora. Essenciais! Esse vestidinho se tornou meu coringa para dias mais fresquinhos. Desfiz de muitas e aos poucos vou mostrando para vocês pelo o que mais ando me apaixonando! 🙂

Isa: Vestido Preto: Não Vivo Sem. Chinelo Ana Capri. Bolsa Orna. Colar Lucy e Ringo Liê Joalheria
Fabinho: Camiseta meio a meio : Não Vivo Sem. Bermuda: Renner. Chinelo: Havaianas

CRÔNICAS, Pra não dizer que não escrevi, VIDA

> Pra não dizer que não escrevi: Da Simplicidade

15/02/2016

Se me pergunta de simplicidade, em longas palavras não posso me explicar. Então, lá vai, vou tentar.

Simplicidade é uma questão de estar.

Estar atento. Aos olhares, passos e sorrisos. Estar inteiro. Para quem se ama e ainda não conhece. Estar presente. Porque se deseja estar. Estar em silêncio. Afinal, é preciso parar, se escutar ou apenas por desacelerar. Estar a dançar: com os pés ou o coração. Fechar os olhos e sorrir sozinho aos versos de uma canção. Estar com o coração no peito, mas deixar, por algumas vezes em meio a intensidade, sentí-lo nas mãos.

Simplicidade é um suspirar.

Um suspiro ao sentir-se forte. Mesmo sem muita certeza de que realmente é. Sentir-se vazio. Por não saber exatamente por onde seguir ou caminhar. Sentir-se repleto. Ao ver que nem sempre, precisamos saber pode onde começar. Simplicidade é aceitar e permitir ser mais dentro de si de tudo do que pode não saber que existe, do que ainda não foi vivido. Para assim, passar a sentir.

Simplicidade é viver.

Amar a vida sem esperar que ela se responda ou deva alguma explicação. Sem desejar uma equação pronta ou um obrigada. É aceitá-la e desejá-la à sua perfeita imperfeição: simplesmente como ela é. Se tem uma coisa que a vida sabe, essa coisa é viver. Então amigo, é melhor não discutir.

Simplicidade é viver o melhor que a vida pode ser, sendo nada mais, nada menos, que você é.

Simples.

Inspirações

> 4 Documentários para Inspirar a Vida e a Busca pela Felicidade Genuína

12/07/2015

Falar sobre felicidade é algo delicado e individual, mas ao mesmo tempo simples e tão igual. Afinal, somos todos seres humanos: carne e osso. Buscando uma vida para desfrutar. Estava para ver estes documentários há muito tempo, mas tudo tem seu tempo certo e não poderia ter sido melhor. Terminei e corri aqui para montar este post, pois não posso deixar isso apenas comigo. Espero que inspirem vocês tanto quanto eu a trabalhar por uma vida mais leve, equilibrada e com crescimento pessoal, social, familiar e espiritual. Isso é tudo!

I AM – Você tem o poder de mudar o mundo.
iam

Documentário mais recente que assisti dessa lista. Trata- se de Tom Shadyac, diretor de filmes super clássicos como Ace Ventura e Professor Aloprado. Tom sofreu um acidente na cabeça e passa por uma fase difícil entre a vida e a morte e, dessa forma, repensa sobre o mundo e os valores ao seu redor. E não é que a solução estava na nossa cara esse tempo todo?
____________________________________________________________________________________________________

HAPPY
happy1

Happy é um documentário que segue a mesma linha do I am. Ele aborda questões como a relação de felicidade com muito dinheiro é algo ilusório e superficial. Happy mostra que pessoas são mais vivas e bem vividas quando cooperam e não competem, quando são úteis para as pessoas ao redor e possuem a clara certeza de que essas pequenas coisas de graça, são o motivo da felicidade na sua forma mais pura. O que mais me fez apaixonar, é o fato do documentário ser super pé no chão e consciente. ____________________________________________________________________________________________________

TARJA BRANCATarja-Branca-Foto-4

O documentário Tarja Branca, segue uma linha diferente dos outros documentários desta lista que abordam o tema sobre felicidade. Porém é igualmente inspirador saber como o ato de brincar é algo que precisamos para viver e manter acesa a nossa criança interior para a nossa paz ser uma constância no dia a dia.
____________________________________________________________________________________________________

EU MAIOR

Eu maior é uma reflexão de diversos entrevistados de áreas diferentes, percepções distintas e ao mesmo tempo, tão parte de um único todo. Já assisti pelo menos cinco vezes e é sempre mais incrível de notar novos valores ou de valoriza- los ainda mais. Assisto sempre que posso. Porque é preciso.

Os três primeiros documentários você encontra no Netflix.

Simples, não? ♡
Boa semana!

Pra não dizer que não escrevi, VIDA

> Pra não dizer que não escrevi: da vida

20/01/2015

É, amiga, talvez a vida não seja sempre bela. Talvez não, ela não é. Por vezes é tão dura que chega a parecer brincadeira, mas, ainda assim, ela é bela, acredite e tenha fé. Se você não estivesse vivendo agora, o que exatamente estaria fazendo? Pois é: nada, literalmente.

Que tristeza pensar que não, você não levantaria cedo com aquele solzinho da manhã para mais um dia exaustivo, você não tomaria o seu cafezinho e, pior, não sentiria o cheiro dele tomando a casa. Que chato seria não ter que ir trabalhar, não contribuir ao mundo com o seu talento de calcular, pintar ou rodopiar. Que agonia não sentir saudade de nada, de ninguém. Saudade da terrinha que nasceu ou de onde cresceu, saudade dos amigos do colégio ou daquela primeira e inocente paixão; saudade do pudim da vó, de costurar com a mãe, daquele futebol cheio de capotes com os irmãos e dos sermões longos do pai. Não sentiria nada. Digo, nada.

Que sem graça seria não poder sentir o vento batendo no rosto, o barulho da chuva na madrugada e o galo do vizinho te acordando cantarolando às cinco da manhã; que medonho seria não ter um bichinho para lamber o teu rosto e contribuir com a sujeira do quintal. Que estranho seria não sofrer de amor, que estranho.

Que maldade seria não ter experimentado tomar um banho de mar, cachoeira, lago, chuva ou de um chuveiro gelado; que crueldade não ter pra quem ligar para desabafar, quer dizer, que cruel não ter histórias da vida para choramingar. Que péssimo não poder tocar em uma flor, abraçar um amigo e beijar apertado os lábios de quem podemos chamar de amor; que triste não poder chorar de tanto rir.

Que desaforada essa ideia de não viver a vida.

Ô, vida! Que sem vida seriamos nós se não a pudéssemos viver e ainda tem vivo, muito bem de vida, reclamando do que não tem, mas o que só importa é ter e viver você: Vida.

_____________________________________________________________________________________________________

Essa categoria é nova por aqui e a ideia é você que acessa o blog escolher o tema dos textos que serão postados. #PraNãoDizerQueNãoEscrevi ( complete e deixa o tema nos comentários, por email nanossavida@gmail.com ou no instagram ) 🙂 .


Revisão de:
Thaís Chiocca

AdoCão, VÍDEOS

> AdoCão: Lucy X Chuva de bexigas ♡

22/12/2014

Ahá! Gente, chega mais. Puxa o banquinho, pega o café e deixa eu contar essa!

Não sei quem viu e quem não viu um vídeo que postei da Lucy malhuuuuca com uma bexiga no instagram. Sim. Parecia sim que aquele era o melhor presente da história. Pensando nisso e, com a ideia de uma queridona nos comentários, resolvemos fazer uma surpresinha. Eu, o tonto barbudo e mais algumas amigas lindas e madrinhas da Lucy que super topam qualquer farra e risada.
Um presente de natal? Ver ela ficando muito doida? Uma despedida com estilo? Tudo isso. Vamos para o Sul visitar os pais do Fabinho e ficaremos 15 dias sem a vira latinha pela primeira vez em 2 anos. No último verão encaramos ir de carro só para ela ir junto – e porque amamos bem mais uma estrada – e resultou no vídeo dela amando muito a piscina. Nesse ano o carro pifou e as contas quebraram nossas pernas, mas conseguimos milhas pra ir. Sem drama, ela ficará bem e -nós morrendo de saudade- bem também.
Até dia 11 estarei de férias por lá! Mas, provavelmente terão alguns pedacinhos do dia a dia lá no instagram. Entón, segue aqui (@ribeiro_isadora). 🙂

Vejam aí a simplicidade linda dessa cachorra e nossas idiotices em um domingo, fechando 2014 em amigos, com amô. Só podia ser assim.

fotofoto(1)foto(4)
feevibexiga

AMOR, Diálogos

> Diálogos: “você só sabe querer”

18/11/2013

Uma noite eu estava no banheiro, secando o cabelo e pensando na vida. Na verdade, apenas pensando na vida, olhando pro nada e segurando o secador sem direção. Me virei e lá estavam os dois, Fabinho e Lucy sentadinhos no chão, brincando um com o outro e olhando pra mim, sorrindo e rindo. Por alguns segundos já não me importei mais com o que estava pensando. Ele percebeu que nem tudo estava tão bem e insistiu para que eu falasse. Encostei na porta e tentei explicar o que nem eu conseguia entender (e olha, minha gente, nem TPM era).
Ele me abraçou ali no corredor. Lucy, por um milagre divino, sentou-se ao lado daquele abraço e ficou olhando e olhando, sem interrompê-lo. Eu me arrisco a dizer que até ela compreendeu o momento que eu precisava. Então, ele olhou pra mim, segurou meu rosto firme e disse, com brincadeira no olhar:

– Você só sabe querer, baixinha.

Fiquei com aquela frase na cabeça por semanas. Mas, sem conseguir entender completamente o que ela queria dizer. Afinal, eu não queria muita coisa! Eu queria apenas que algumas coisas se encaixassem e outras terminassem. Eu queria acampar ou fazer uma mochilão sem frescura, sem muita grana. Queria que o tempo passasse logo, mas também que em outros momentos ele parasse ou me desse mais horas, mais dias e mais chances. É, talvez eu quisesse demais. Sei não.
Outra noite, estávamos pensando no que jantar. Ele, o rei dos junta tudo e põe no prato, me convenceu a comer o que tinha na casa: macarrão, manteiga e um pão. A água começou a ferver e eu disse que queria fazer a compra do mês e queria porque queria e queria. QUERIA. Ele, lavando a louça virou e, mais uma vez, me disse:
– Você só sabe querer, baixinha.
– Não! – e tentando me explicar respondi:  Só tenho saudade de ter mais tempo e opções para cozinhar algo especial pra você, pra gente.
Enxaguando um prato, ele me olhou nos olhos e disse:
– Então… cozinha algo especial pra mim. Que tal um macarrão com manteiga?

Naquele momento, eu me dei conta de quem eu tinha ao meu lado. Não era alguém que me completava, mas alguém que me ensinava o que, no dia-a-dia, estava tão difícil de conseguir enxergar sozinha.

Virei pra ele e disse com sinceridade e sem pensar:
– Por isso que eu tenho você, pra me lembrar do que eu tenho e apenas agradecer por isso.

A vida algumas vezes nos prega peças. Ou melhor, prega toda hora. Afinal, eu fiquei semanas pensando que eu tinha que querer menos. Quando na verdade, o que ele queria me dizer era que eu tinha que olhar ao redor e viver. Viver bem.

Algumas vezes, a vida nos dá pessoas que enriquecem nossa vida. Pessoas que nos fazem olhar o que temos e dar valor. E agradecer por aquele momento sem deixar brechas pra pensar: “Mas eu queria tanto…”
Pessoas que nos fazem querer APENAS viver o bem que temos. Porque, querer fazer o bem, nunca é demais. Certo? ♡

Observando, VIDA

> Observando: Sobre plantar e crescer

11/11/2013

E foi com 22 anos que me vi plantando sementes na terra para nossa horta. Li textos, procurei sites e artigos que falassem sobre técnicas melhores, modos de plantar e colher, época certa e cada mínimo detalhe que se possa imaginar. Empolgada com este pequeno sonho, fui até a casa do meu véio tão sabido, pegar mudas e sementes, tentando no caminho memorizar toda aquela enxurrada de dicas e detalhes para que tudo desse certo.
Fiquei falando, falando e falando tudo que li para ele. De todos os adubos, tipos de terra e pedras. Enquanto ele com seu óculos de grau e cabelos grisalhos estava sentado no degrau da escada do quintal, com os pés na terra me olhando com os olhos quase fechados, pois o sol estava forte, mas divinamente lindo naquele fim de tarde. Ele com muita paciência me esperou terminar, paciência de amor de pai, só pode ser. Levantou o pescoço, mexeu no seu óculos e disse: Olha Isa, o segredo é o cuidado e a atenção diária que se dá pra elas [plantas].

Lembrei que todo fim de tarde, meu pai chegava do trabalho cansado, depois de um longo dia no escritório e vestia sua butina, um jeens velho e manchado de vernis com outras sujeiras e cuidava do seu jardim. Algumas latas antigas, outras mais novas, mas a atenção e dedicação eram iguais. Todo dia. Dia após dia.
IMG_4968
Meu pai aquele dia me ensinou mais do que a plantar. Me ensinou a ser simples e a ter mais alma do que uma lista imensa na mão do que fazer e toda a tensão nos ombros para conseguir sempre acertar. Me ensinou a sentir, a ser intensa. Me provou que menos realmente é mais, quando se tem vontade para lidar com o que aparece na vida, e tudo então se torna mais sereno. Tudo passa a ser encarado e vivido por inteiro. Tudo passa a crescer e simplesmente ser.
Cheguei em casa, coloquei pedrinhas no vaso, afofei a terra e coloquei a semente. Reguei e admito que até cantei, não custava tentar. Depositei todo o carinho que investi antes da outra maneira deste jeitinho mais meu, confesso. Podia dar certo ou não. E se não der, tem mais pedrinhas, terra, carinho e algumas mãos – e patas – dispostas a ajudar. Algumas coisas precisam ser feitas e refeitas, quantas vezes for preciso, não tem problema. Não mesmo. Desde que em todas as vezes, o coração esteja nas mãos de quem cuida e de quem sonha, mesmo que essa pessoa ainda tenha apenas 22 anos. 
Uma hora o amor que depositamos fala mais alto e tudo passa a crescer naturalmente e a florecer em plena simplicidade. Como a vida deve ser. Como nós, precisamos ser.IMG_2390Hoje a hortinha tem 3 mudas diferentes: hortelã, manjeiricão e cebolinha. Espero conseguir aumentar muito este número. Mas, até agora, tenho que admitir: aquilo que investimos tanto cuidado e carinho, realmente tem um gostinho a mais… um gostinho mais assim, de amor. Sabe? Claro que sim. ♡