Navegando em Tag

metas

CRÔNICAS, VIDA

> Existe algo que só você pode fazer por você

09/10/2017

Existe algo que só você pode fazer por você: correr atrás dos seus sonhos.

O universo pode até conspirar a favor, um dia podemos nos considerar com sorte por acontecer determinada coisa e, ainda assim, uma hora você terá que usar suas próprias pernas para correr atrás do que você deseja. Aconteça o que acontecer. Com sinais ou sem sinais.

Quando falamos em sonhos, logo vem em nossa mente uma enxurrada de coisas mirabolantes: comprar uma casa, ter X filhos até tal idade, viajar pelo mundo e o tal do sucesso profissional seguido por “ser rico”. Não que todos estes sonhos sejam errados, mas aprendi a encarar meus sonhos de uma maneira diferente para não me afogar dentro deles mesmos.

Sempre fui do tipo que sonha. Sonha até demais. Sonhava até me esquecer um pouco do presente. Até perceber, quando adolescente, que isso não me levaria a lugar nenhum. Eu apenas seria uma pessoa sonhadora. Passei a ir atrás dos caminhos que a vida me levava, até sem um pouco de foco, entretanto, hoje vejo que precisei passar por tudo e de tudo para escrever essas breves palavras. Tudo por ter dado pequenos passos que muitas vezes eram tão inseguros – mas ainda eram passos.

Um dos meus maiores sonhos, como o de muitos, era conhecer o mundo. Pesquisar quanto isso iria me custar financeiramente, de tempo e ainda sincronizar com meus outros sonhos, não animava muito. Foi então que parei de me lamentar e passei a conhecer o mundo ao meu redor. Viajava para Santos, Praia grande, Itu com a família e amigos que se fosse qualquer outro lugar que eu precisasse de visto para ir. Sim, as coisas possuem o valor que depositamos nelas. Criei memórias, lembranças e boas histórias em diferentes lugares sem precisar de um passaporte. Até o dia em que consegui fazer minha primeira viagem de avião e gosto de pensar que isso aconteceu porque aprendi a amar e viajar pelo meu bairro e dentro de mim mesma primeiro.

A verdade é que a gente tem que começar de alguma forma e que a vida sempre sabe mais do que nós mesmos do que precisamos passar. Cabe a nós abraçar e vivenciar. Isso não quer dizer ser feliz e realizado sempre, mas aprender e evoluir com as circunstâncias.

Sei que parece que a vida tem um fluxo e um caminho pré-definido que todos devemos seguir, mas acredite, ela não tem. Por isso, se for para lutar, sonhar e correr atrás de algo, que seja puramente pelo o que você deseja. Hoje, me recuso aceitar que estamos neste mundo como meros e pacatos turistas da vida: fazemos check-in nos sonhos turísticos que todos querem que a gente faça, tiramos fotos e partimos para o próximo. Acredito que estamos aqui para aproveitar cada segundo, aprender, compartilhar o que foi bom, cuidar do mundo, de nós, de quem amamos e vivenciar o que acontece ao nosso redor.

A vida irá nos agraciar com pessoas e momentos que irão nos motivar, sim, mas ela também mandará situações para ver até onde você quer lutar.  Se você quer algo, comece agora. Comece com o que você tem. Se é mudar de trabalho, trace um plano, busque conhecimento e comemore as mínimas conquistas. Se é para viajar aprenda a valorizar cada dia, faça corte de gastos e saiba que tudo tem seu tempo. Se é para aumentar a família cuide da sua saúde emocional, espiritual, fortaleça seu corpo, trace metas em casal. Para fazer uma maratona, você precisa primeiro fazer 1km, depois o 2km e depois o 3km. Um passo de cada vez. Comemore cada quilômetro e quem dividiu cada metro com você.

Concretizar um sonho só tem graça se sabemos aproveitar todo o caminho que precisamos passar para alcançá-lo.

Assim como no amor, a vida não nos pede que sejamos sempre perfeitos e impecáveis, ela quer constância. Pequenos gestos e decisões diárias que nos farão seguir de alguma forma ou que apenas não nos deixarão desistir. Comece. É difícil e muitas vezes até fisicamente doloroso, mas um dia valerá apena ter escolhido começar. Ainda que a gente precise se reinventar um dia, a gente sempre precisa, valerá ter dado aquele pequeno e inseguro passo dia após dia.

Seja lá o que você sonha, é algo que só você pode fazer por você. E eu sei que você consegue.

Aceite isso.

Inspirações, VIDA

> Inspirações: 14 coisas que fizeram a diferença no meu 2014

28/12/2014

Mês de dezembro é nostalgia, não tem jeito. E todo fim de ano escrevo uma lista de metas para o ano que vem, risco algumas alcançadas, repenso outras e também escrevo o que “fez o meu ano”. Aqui, selecionei alguns itens mais especiais. Não sou nada fã desse formatinho de escrever em listas, mas fica o registro do que teve um valor muito especial pra mim em 2014. Espero que se identifiquem com algo do ano de vocês ou que seja útil para o ano que vem. 😉

1.DOEI MUITA ROUPA
Este ano fiz um cata no meu guarda roupa pelo menos umas 10 vezes. Dei BEM mais da metade do que eu tinha. E não me fez falta nenhuma. Me sinto mais leve, mais tranquila. Realmente, a gente guarda muito mais do que precisa e consegue usar. E quando damos alguma coisa e fazemos esse bem, sempre o bem volta pra gente – como uma amiga que vem te visitar e lhe traz umas 3 peças de roupa, do nada, bem no dia em que você deu uma sacola cheia.

2.DEI TEMPO
Tempo. Palavra linda que vale ouro atualmente. Aprendi ainda mais a respeitar o meu, dos outros e dos mais lerdinhos que me tiravam do sério. Enxergar que cada um tem o seu momento, o seu silêncio e isso precisa ser respeitado e valorizado. Viver um dia de cada vez sim, mas sem desespero. E, acima disso, amei o tempo que era só meu. Assistindo meu seriado, lendo meu livro, comendo a minha comida cheia de frescura, minha meditação. Estar acompanhado é uma delícia, mas se suportar e se amar sozinho, é um presente – que só você pode se dar.

3.ME ORGANIZEI AINDA MAIS
Organização é tudo na vida, em tudo. Quanto mais a gente se organiza, mais a gente se conhece. É uma troca que só agiliza nosso dia a dia e ainda, deixa aquela sensação de “casa limpa” por dentro – só corre o risco de ter umas manias chatas e irritantes, mas quem não tem? 😉

4.NÃO VIAJEI
E isso foi bom. Acredito que tudo tenha um momento certo e o deste ano, foi esse. Em contrapartida, foi uma delícia ver como é bom ter a sensação de estar aconchegado e com os pés fincados em um lugar. De ter um lar e não querer desgrudar dele – assim como no livro, “o pequeno príncipe diz: as pessoas grandes não gostam de criar raízes, criar laços, querem sempre mudar”. Como é bom não precisar fugir de nada e matar no peito que problema não se resolve sozinho – nem mesmo com estrada. Como é bom não precisar fugir do mundo quando a gente se aceita, se cuida e ama respirar o ar de casa. Como é bom se divertir em casal sem precisar sair, morrendo de rir com uma pizza no chão da sala ou um café na praça. Já dizia um amado por aí “para viajar, basta existir”. Pra mim, hoje, isso diz tudo sobre a vida e a sua simplicidade. Como é bom estar em casa.

5.PLANTAS
Elas me abraçaram este ano! Eu diria que foram além de terapêuticas, foi um aconchego que me faltava para me sentir em casa e nem eu sabia o quanto. Estar próximo da natureza, nos traz mais vida, faz nos sentir mais frágeis e mais humanos – a gente não é tanto que pensa que é. Somos o que semeamos. Colhemos o que plantamos, em tudo. E a natureza é uma prova viva e nítida nisso. Me fez bem, muito bem. Viramos realmente, cada dia mais, bichos do mato. Nem ligo.

6.CORRI – COM CONSCIÊNCIA- ATRÁS DO MEU SONHO
Corri e vou continuar correndo em 2015, enquanto as pernas tiverem boas e, se não tiverem, me adapto e corro com as mãos mesmo. 2014 foi um ano doloroso em infinitos segmentos pra mim, um ano de muitas decisões e realizações meio vagas, mas ainda assim, foi o melhor. Estranho de escrever isso.

7.COLETIVO
Este ano, mais do que em todos os outros, me frustei com a falta de senso coletivo em que vemos todos os dias em pequenas coisas. A facilidade em que as pessoas quebram pequenas regras e se acham certas e que tem motivos pra isso “estou cansado, trabalhei o dia inteiro”, “eu preciso lavar meu quintal com mangueira todo dia, sim”. Passei dias com essa amargura em mim, até que resolvi, me concentrar em melhorar minha parte e na medida do possível, tentar espalhar isso. O país pode estar em um momento complicado, praticamente em uma manipulação para por em guerra todo mundo contra todo mundo -e ninguém percebe-, mas a gente ainda pode facilitar a nossa vida e pelo menos, não atrapalhar a do outro.

8.CUIDADOS COM A CASA
No fim deste mês, consegui me equilibrar entre viver e manter a casa limpa. Eu realmente tenho um certo probleminha em querer deixar tudo sempre no lugar e na ordem certa. Não consigo trabalhar se tem louça na pia ou se precisa passar uma vassourinha ou tirar o pó. E, isso, pra quem trabalha em casa, é um tormento. É uma disputa infinita de atenção que agora estou conseguindo me manter na corda bamba.

9.PACIÊNCIA PARA BRIGAR
Sempre odiei brigar. Não por medo do conflito, mas por simplesmente ter preguiça. Prefiro dormir do que bater boca, só isso. Esse ano me prestei, não a brigar, mas a ter paciência para lidar com as coisas, não no meu tempo mas, no tempo da outra pessoa. No fim das contas, pra pessoa, nada mais é do que demonstrar que você se importa em resolver o problema dela. E resolver – nem sempre o seu problema – é o caminho certo.

10.ESPERAR E ESPERAR
Esperar é um inferno. Mas, um inferno que a gente tem que não só passar, mas se queimar um pouquinho, ficar de banho maria na vida. Não tem como se livrar. E já vou dizer: não adianta que não dá pra apressar. Então, evolui no que está ao seu alcance, se empenha enquanto toma um toddynho porque, olha, não vale apenas se desgastar e desperdiçar energia. Não mesmo.

11.SEM MAIS CHORAMINGAR
Se a coisa tá ruim, tá ruim. Desabafa e chora, mas não se estende. Simples. Gasta energia pensando em como resolver ou tentar ter a racionalidade de sacar se é hora de não resolver nada, abraçar a vida é só ir – passa um cafezinho que ajuda.

12.COMPARTILHAR
Eu sempre fui tive o coração mais fechado que aberto. Demoro para confiar, mas quando confio, me entrego. Eu sempre fui até um limite e, criar um blog, foi agridoce. Hoje é minha gaveta preferida do dia! um cantinho que quando abro, só tem coisa sincera e verdadeira – e no meu limite. Poder compartilhar que meu dia foi péssimo ou que está tudo em paz e ser abençoada com um comentário de que sim, também era assim que outra pessoa se sentia, é demais. Compartilhar é acrescentar. É querer evoluir junto. Uma benção que o virtual nos trouxe – que saibamos usar bem.

13.CATIVAR
Este ano amei demais. Estive perto de amigos sempre, cuidei da minha cachorra ao máximo – economizei com isso também-, passei o cafézinho do meu namorado todo santo dia pra ele ter um dia bom, tomei muitos cafés da tarde com meus pais e ri demais mesmo quando os dias estavam uma droga. Escolher as pessoas que caminham com você, é como ter uma família a dedo. Cada um sabe o que é melhor pra sí e o que pensa sobre a vida, e se não sabe é melhor descobrir. As pessoas que são seu tripé no dia a dia fazem toda diferença. Eu, não tenho do que reclamar.

14. “SERÁ QUE A GENTE CONSEGUE FAZER?”
Foi a frase mais falada em 2014 nessa casa. E fizemos TUDO que quisemos fazer com o que sobrou das madeiras da reforma: 2 mesas para os estúdios, bancos da cozinha, gabinete da pia, molduras, prateleiras, quadros, reformamos móveis, reviramos todas as caçambas da rua, carregamos quase 3 mil tijolos, fizemos cortina, suporte de vasos, tanta coisa! E a moral da história é: você pode fazer o que quiser, contanto que pesquise nessa internê, tenha muita vontade e cabeça pra funcionar em improvisos bacanas. Ainda temos uma listinha, nos falta tempo agora. Mas, começo do ano estamos aí, reformando móveis e caçando ideias. Não é preciso ter rios de dinheiro para decorar seu lar. Basta ter carinho – e desapegar do esmalte.

15. INTERNET, INTERNET
Eu sempre me achei bem resolvida com ela. Nunca fiquei mexendo frenéticamente no celular se estou em uma conversa (ao menos se é minha mãe no whatssap), na verdade, nunca nem uso na rua, ficou muito desatenta. E também jamais tentei passar uma vida que não é minha, uma coisa que não sou eu e procuro sempre responder as pessoas, odeio deixar alguém falando sozinho. Algumas vezes a correria complica, mas dá se um jeito. Mas, um ponto sempre me pegou: trabalho. Recebo muitos contatos pela internet e sempre respondia. Podia ser 3 da manhã de um sábado e lá estava eu mandando referências. Parei. Não por desleixo, mas porque é preciso. Freela perde um pouco essa mão de horários e tudo mais é complicado. Limites é a palavra, né?

E você? o que fez este ano que te fez melhor? conta! 🙂

A gente se vê em 2015. Obrigada por TUDO neste ano que passamos juntos por aqui. Prometo falar menos – mentira, não vou cumprir isso nunca. ;)