Navegando em Tag

começar a correr

Corrida

> Sobre correr, acreditar e viver (bem)

03/05/2017

Minha mãe correu comigo na barriga até os 3 meses de gravidez, pois ela não sabia que estava grávida. Depois de descobrir e de fazer uma bateria de exames, o médico disse “essa é guerreira, pode continuar, mas devagar”. Nasci e depois de uma infecção hospitalar fiquei 20 dias na UTI. Ao sair do hospital, o médico número 2 disse pra minha mãe “esse coração é de ferro”. Cresci. Passou. Eu sempre fui elétrica e me enfiava em tudo quanto é esporte ou qualquer coisa para preencher meu tempo. Meus pais deviam ficar malucos. Correr quando eu era nova era tão fácil. Eu era das baixinhas que no pega-pega ninguém conseguia alcançar. Às vezes eu ficava no canto da quadra e nem chegava a suar. A vida foi passando e usei botinha ortopédica para ajustar os pés, fiz fisioterapia no joelho por uns 2 anos de jogar futebol. Eu não corria, eu fugia.

Sempre fui responsável e fissurada em conquistar meu espaço e isso me custou um pouco essa diversão. Comecei a trabalhar cedo, por isso ganhei umas rugas de gente adulta com 17 anos. No final do dia o que mais me dava saudade era do tempo em que eu e meu irmão ficávamos batendo bola no quintal. Ele brincava que eu seria a nova Sisi. Nunca me passou pela cabeça isso, mas eu gostava de sentir que ele acreditava em mim. Me fazia acreditar. Porém não o bastante para continuar.

Por anos eu achei que não tinha força de vontade. Comecei teclado, fiz 3 anos, parei. Comecei violão, 2 anos, parei. Aula de futebol, 3 anos, parei. Ballet, uns bons anos, parei. Hoje, entendo que a vida tem os seus ciclos e eu tive os meus focos em cada fase. Hoje sei que o meu maior erro, foi ter me deixado de lado e ter confundido hobby com o que eu amava de verdade fazer. Foi quando anos e anos depois a corrida apareceu na minha vida. Ou melhor, na do meu cunhado, depois para meu namorado e então pra mim. Na verdade eu nunca achei que fosse correr. No aeróbico na academia fazia bicicleta enquanto respondia emails do trabalho no celular. Não via graça. Um dia meu namorado me falou: Não quer fazer esteira comigo hoje? Eu não sei respirar e meu joelho é zoado, já era a minha fala ensaiada. Ele insistia, “sei que vai gostar”. Até que um dia eu resolvi tentar.

Cresci a vida toda ouvindo que eu era delicada demais pra muita coisa que eu gostava de fazer. Isso me deixava irritadíssima. Odiava minha pequena altura por isso: me tiravam pra frágil e fofa – no sentido diminutivo.  Até que sem perceber deixei-me convencer que eu era tudo isso mesmo. Demorei anos para entender que sim, eu estava fisicamente fraca por ficar anos parada, mas era só uma questão de fortalecer. Nunca quis ninguém para me defender ou carregar os meus pesos. Comecei a fazer exercícios para fortalecer joelho, perna, articulações, panturrilha, costas, peito, ombro. Me preparei. Para mim. Foram quase 2 anos de corrida para entender que delicadeza, não é sinônimo de ser frágil, mas até então, tive umas briguinhas internas comigo mesma.

A corrida me cobrou em poucos meses o que a vida me pedia até então: dar tempo e persistência. Tempo eu passei a arranjar, persistência era e, é, algo diário. Uns dias são mais fáceis e outros mais duros. Cada dia é algo diferente. Mas a sensação de finalmente parar alguns minutos para desgastar o corpo e deixar meus problemas a cada km, virou amor.

Quando consegui entender, ainda bem, estava em tempo: eu não precisava do médico 1, médico 2, meu irmão ou meu namorado acreditando em mim. Eu precisava acreditar em mim.

Acreditar em sí mesmo não é uma questão de se achar superior e falar da boca para fora que você pode tudo. Acreditar em sí é se dar a chance para ver até onde você pode ir. É entender os seus problemas, defeitos e desafios para lidar da melhor forma possível com eles.

Correr para mim nunca foi apenas sobre o ato em sí. Nunca foi sobre o verbo correr. Correr foi um favor que fiz ao meu coração: o que hoje eu sinto pulsar fisicamente melhor e o que vai até a boca sorrir diariamente após terminar uma corrida.

Correr pede persistência. Hoje, vivo bem, bem melhor. Voltaria e faria tudo de novo. Ou melhor, procuro fazer isso a cada dia.

Nunca desista de algo que faz o seu coração subir pela boca. Nunca desista de algo que te faz bem profundamente como ser humano. Nunca desista de algo que te faz sorrir.

Correr? Recomendo.

Corrida, Diálogos

> 4h e 40min correndo só..

03/04/2017

Quando decidi que iria correr minha primeira maratona eu olhei para o Fábio e disse: vai lá bater o seu recorde pessoal, não se importa comigo. Ele sorriu e agradeceu pela minha torcida. Virei as costas e pensei, “Não vou conseguir“. Passei a tratar esse pensamento como natural de quem se inscreve para uma maratona com tão pouco tempo de corrida e fui levando. Logo nas primeiras semanas de treino, em uma corrida normal e curta e eu disse para ele:

– Não vou fazer uma maratona sozinha. Ele me olhou e disse:

– Não vai mesmo… se continuar com essa cabeça. Sozinha, você já corre.

Fábio jogou a bucha pra mim. Na verdade, ela já era minha, só faltava eu assumir.

Quando eu era adolescente eu me incomodava com solidão e o silêncio. Não era fácil ficar parada, quieta ou contar apenas com a minha presença. Brotava o medo misturado com o receio de alguém que eu não conhecia tão bem e não estava disposta ainda a dedicar meu tempo. Sim, eu mesma. Só podia ser. Depois com o tempo, não o tempo que passa para afastar ou ensinar, mas da dedicação em entender os meus dramas, eu finalmente aquietei o facho. Mais alguns anos depois e ficar só passou de um hobby para amor. Eu não só curto, como eu preciso.

Logo na minha primeira tentativa de corrida o choque da solitude voltou. Não era apenas eu comigo mesma, era eu, com meu corpo, minha mente e minhas desculpas, a preguiça e os problemas diários gritando dentro de mim. Eu não era capaz de correr e eu sabia, mas queria tentar. Apesar da estratégia de ir escutando música optei por encontrar na corrida,  assim como na meditação, uma forma de limpar minha cabeça e ouvir o silêncio. Eu olhava fixo para o asfalto e assim fui rumo até a minha primeira meia maratona. Naquela época a corrida já era uma das melhores partes do meu dia, mas ainda era algo que eu fazia principalmente pela empolgação externa.

A corrida é um esporte individual. É você por você. Por mais que alguém esteja ao seu lado incentivando, ninguém irá mover as pernas no seu lugar. Ainda assim, eu tinha amigos por perto que corriam e o meu namorado para dizer “você não vai hoje? eu tô indo” e eu ia por causa dele. Hoje, eu não me atrevo a ficar mais de 2 dias sem correr, aliás nem encontro motivos pra isso acontecer. Correr virou uma parte do dia de uma forma incrivelmente minha. Foi correndo que aprendi a fazer algo apenas por mim.

Muitos corredores dizem que há um momento no trajeto da maratona que você estará rodeado de mil e tantas pessoas e se sentirá só. Muito só. As pernas não irão responder como no início e o questionamento de “o que eu estou fazendo aqui?” virá à tona. Nessa hora é preciso ter bem fresco em mente o porquê e por quem se está ali.

Fábio tinha razão. Eu já corria sozinha, mas eu seguia com a certeza e os caminhos dele. Tudo são fases que precisamos passar para conquistar a segurança e nossas metas. A exigência e cobrança pessoal nunca me deixaram dizer “eu vou fazer isso, afinal eu mereço”. Sempre faltava algo. Nunca eu era o bastante. Achava mais nobre fazer por alguém. Demorei para perceber que eu era capaz. Não capaz de fazer uma maratona, mas sim, de fazer algo especialmente por mim e me sentir realizada por isso.

Hoje, alguns do meus ponteiros conseguiram se ajustar e compreendi as minhas imperfeições e, dessa forma, os meus limites. Dia 09/04 vou passar em média de 4 horas e 40 minutos sozinha com a minha cabecinha e estou esperando ansiosamente por isso. Para ela me dar um bug ou eu deixá-la maluca. No final vou encontrar o meu melhor amigo e agradecer por ter acreditado quando eu não conseguia admitir que tinha forças dentro de mim.

Você pode dar tudo de sí e pode ir ainda muito mais além. Só dependerá do quanto você quer e fará por isso. Só. Só vá…

Corrida, Inspirações

> Persistência é o segredo

14/03/2017

“Como começar a correr”, já pesquisei isso no google, é uma das perguntas que mais recebo e já foi um post aqui do blog também.

É tão difícil. Comecei sem achar que ia conseguir e, se me perguntarem, até hoje, não falo que corro. Comecei devagar, com dificuldade para respirar, sem aguentar o peso do próprio corpo, mas eu queria. Não sabia o porquê, mas queria.

A gente pensa e se pergunta muito em como começar, mas o certo seria “como continuar a correr”. A corrida pede equilíbrio, insistência e persistência. Vai cansar e não vai dar barato nenhum na primeira semana. Você continua achando que todo o pessoal que corre, diz que ama e levanta as 5 da manhã no domingo é doido. Ainda não é possível de entender como alguém curte aquilo. Correr ainda é um desconforto, mas você conseguiu ir 3x na semana. Parabéns!

Na segunda semana o corpo parece que pesa ainda mais. As pernas então nem se falam, estão duras e contraídas. Você resolve tentar mais uma vez. Apesar do corpo se acostumando com o esforço, você consegue suportá-lo um pouco melhor e já é muito motivador. Terceira semana e você já pegou gosto pela coisa e isso não significa que não será difícil. Mas, já está naquele estágio em que você planeja ir mais longe, ou mais rápido ou sem as pernas doerem tanto. São dias em que você não pensa em furar o dia da corrida, a respiração flui melhor, ainda não é confortável e, então, a força aparece.

A corrida pedirá equilíbrio para você se enxergar e ouvir o seu corpo. A hora de descansar, alimentar, cuidar, diminuir ou acelerar. Depois é necessário insistir mesmo com alguns incômodos e que ainda não seja confortável encontrar o ritmo e a coordenação. Persistir dependerá do quanto se deseja.

Eu diria que correr por 1 ou 2 meses, 3x na semana sem furos e com os devidos descansos, já é transformador. Você sente melhoras nítidas no seu corpo e durante o dia. Me tornei um pessoa muito mais tranquila para as decisões do dia a dia depois que comecei a correr. Demorei 1 mês para me viciar, Pode ser que demore mais ou menos, depende de cada um, como em tudo na vida. Pode ser que você não goste mesmo de correr, acontece. 1 mês depois que comecei a correr eu já revirava minha agenda para não deixar de ir. Pensava em voltar correndo de um compromisso ou outro, ir mais cedo, ir mais tarde, ir no dia seguinte. Correr me fez desacelerar a rotina e respeitar a velocidade de cada fase da vida que há em cada dia. Correr é sobre isso: persistir. Apenas isso.

A corrida é um esporte individual. A força de vontade e a disciplina também. Entretanto ter um amigo para conversar, ainda que ele não te acompanhe é muito motivador.

Se você começou a correr a pouco tempo e gostou das primeiras sensações, eu digo: Persista. Parar e desacelerar pode ser preciso, mas não desista!

Depois é coisa de tempo, você provavelmente já se viciou um pouco no bem-estar, no estilo de vida, em competir com você mesmo e já se desdobra para tirar 30 minutos para sair por aí. Vicia? Vicia. Depois não diga que eu não avisei…

Corrida, Inspirações

> Dicas para começar a correr

31/01/2017

Desde que começamos a correr, pegamos gosto não só em fazer, mas de falar sobre isso. É normal quando algo nos faz MUITO bem a gente querer recomendar e querer que todos ao seu redor se sintam tão bem também. Claro que é bacana cada um buscar o que dá prazer como: bike, dança, natação, enfim. Voltando para a corrida…

Separei neste post algumas dicas que me ajudaram muito neste processo para começar a correr. Vamos lá? 🙂

  • DEVAGAR E SEMPRE

Primeira corrida que fiz no parque foi engraçada. Larguei em 5:50 por km, velocidade sem noção para quem nunca correu na vida. Digna de dar risada, afinal 150m depois eu não conseguia mais sair do lugar e não conseguia respirar. É nessa hora que você entende que correr exige planejamento. Você precisa pensar na constância X que conseguirá manter pelo tempo X de exercício. Tudo isso é um ponto de interrogação quando você não sabe nem se gosta daquilo e muito menos não sabe o ritmo de respirar. Então, meu conselho: Sabe aquele trote de vovô correndo no acostamento? É este mesmo – são os que vão mais longe. Não tenha vergonha. Só quem corre um tempinho sabe como manter um rimo de todo o corpo por UM KM é difícil e exige persistência.

  • VAI DOER!

VAI. Minha primeira corridinha, antes dessa do parque, foi de 2km na esteira. Por estar na academia mais ou menos 1 mês achei que não ia doer nada depois. HÁÁ! Dia seguinte minhas pernas pesavam o dobro em lugares que nunca imaginei que existiam. Subia escada e o quadríceps gritava, na frente da canela(?) pareceria ter uma faca, tornozelo e em cima do joelho parecia que amarraram um tijolo. A gente treina justamente pra criar essas “micro lesões” que vamos fortalecendo com o tempo. A corrida é um esforço super repetitivo então é preciso estar com o corpo resistente e forte! Coisa que nessa época tão sedentária do ser humano, não estamos nenhum pouco. Mas ficaremos é só persistir! 🙂 E para isso…

  • CADÊ OS MÚSCULOS ?!

… Músculos são necessários e MUITO! É na musculação que você irá fortalecer todo o corpitcho, tendões e ligamentos para aguentar os impactos da corrida – que são MUITOS. Corpo de atleta de elite é SECO que só, mas é puro músculo. Pense que o seu pézinho e a mecânica do seu quadril e costas que irá “carregar” todo peso do seu corpo por pelo menos 30 minutos. É intenso! Muita gente menospreza a musculação, ainda mais porque bem no começo ela deixa muita fadiga muscular e compromete os treinos de corrida. Garanto que depois acostuma. Mas, se hoje, tanto eu quanto Fabinho não nos machucamos correndo “por conta”, foi por causa dos benditos exercícios com elástico, ferro, peso do corpo. Fabinho já fez uma cirurgia no joelho, então sempre foi bem empenhado no fortalecimento mesmo não sentindo dores nas corridas. Eu senti bastante. Tive (ainda tenho) que agachar horrores para proteger o joelho e peito do pé de dores. Ah!! Não é só perna! Costas, peito e abdômen são muito importantes, pois darão estabilidade para todo o corpo. Quando dizem que corrida mexe com tudo, é verdade. Se você não quer evitar se lesionar para correr felizinho, capriche.

  • RESPIRAR É PRECISO E DIFÍCIL

Acertar a respiração foi a minha maior dificuldade. Justamente por sair feito uma louca desvairada no início. Muitos treinadores recomendam começar a correr por 1 minuto e caminhar por 1 minuto e assim vai progredindo o tempo a cada semana de treino. Para mim não funcionou bem. Eu sentia que quando começava a me entender com a respiração, eu tinha que parar para caminhar e perdia o ritmo. Segui o conselho do meu cunhado “não vai pelo puxa um solta dois pela boca, tenta deixar fluir”. Isso funcionou bem comigo. Claro, com o tempo fui acertando melhor as puxadas de ar com a velocidade e tudo o mais, mas no começo além de me deixar mais livre, isso me deu segurança para ouvir o meu corpo. A respiração foi de uma dificuldade para algo prazeroso de entender e me dedicar. Sem música nos ouvidos, sem nada, só persistindo. Correr na esteira me ajudou demais a ganhar ritmo, além de dar uma amortecida no impacto do começo.

  • TÊNIS É INVESTIMENTO

Acho que esta é a única coisa que não dá para fugir. Top errado, shorts que incomoda no começo a gente aguenta. Claro que se você tiver condições já compre de marcas esportivas para melhorar o seu conforto, mas não é nenhum pouco obrigatório. Eu fui montando tudo aos poucos. Até fiz 3 corridinhas com um tênis BEM nada a ver e resolvi ir atrás de um decente. O tênis é fundamental e muito individual! A gente curtiu muito a série boost da Adidas. Confesso não conhecer ainda muito da Nike e Asics, duas marcas mais famosas. Vale uma visita nas lojas, conversar com vendedores para entender melhor cada tipo e modelo. Tênis bom é leveza e amortecimento bacana para você, não vá de all star como eu já fiz! hahah

  • CORRER TODO DIA? NOOOOOT!

Acho que aqui mora o maior erro. Eu me coloco no grupo de pessoas que deu uma corridinha, animou, apaixonou e quis tentar no dia seguinte se superar. Mas, se controle!!! Sério. Não corra todos os dias. Coloque uma musculação no intervalo ou até mesmo descanso. A recuperação muscular e de estímulos é bem importante ainda mais no começo. Depois você poderá separar os treinos com intervalados, longos, de ritmo, subidas e assim cada treino irá estimular uma região das pernocas e não forçar apenas um tipo de fibra e grupo muscular. Mais importante do que fazer todos os dias, é fazer sempre. Corrida é persistência. É ritmo e vai virar a melhor coisa da sua rotina 🙂

  • DIVIRTA- SE!

Sim! No começo é difícil. A gente quer correr sorridente que nem em comerciais. A sensação do pós corrida ainda que não tenha sido das melhores, é mágica. Você fica zen pelo resto do dia. Mas neste começo, correr ainda não será um processo natural. Você ainda vai ajustar a quantidade de comida do antes para não passar mal, o tempo de espera para sair, o tênis correto, a roupa adequada, acostumar com as interferências climáticas, o melhor horário, a hidratação, a música se quiser, o ritmo da respiração, as dores do dia anterior. Algumas pessoas possuem mais afinidade ou até melhor condicionamento e talvez tudo isso flua mais rápido, mas sempre digo: CURTA! Demorei 3 meses para calçar o tênis e sair correndo sorrindo feito tonta sem pensar muito e me preocupar. Quando tudo já tiver se tornado um processo natural, você resolve aumentar velocidade, distância, rendimento e então, tudo começa desde o início, quase do zero… 😛

Me perguntam bastante se tivemos algum acompanhamento profissional e não tivemos. Na época estávamos na academia e comentava com o instrutor, mas não passava de um incentivo, não recebíamos dicas. É necessário um? Você precisa fazer um checkup geral, isso é ÓBVIO, antes de qualquer prática de exercício. Sim, até para correr. A gente não tem noção do nível extremo de sedentarismo que a sociedade chegou. Eu sempre fui ativa, de não parar quieta por um segundo e, ainda assim, não tinha acho que meio kg de músculo no corpo haha.  Meu conselho? Vai devagar em uma esteira ou no parque, até para ver se irá gostar. Persista. Se tiver condições financeiras e gostar, invista sim! Aqui fomos indo, indo, indo e virou amor.

Espero que as dicas ajudem e estimulem quem deseja começar a correr 🙂

A corrida mudou a nossa vida, mente, corpo e nos fez enxergar a vida com muito mais calma. Recomendamos.

Inspirações, VÍDEOS

> 21K : MEIA MARATONA

27/04/2016

Foi no final do ano quando ouvi o Fabinho me dizer: Vou fazer a prova da meia maratona. “Quantos são mesmo? Ah, 21km, você é louco”. Na hora ele falava animado da planilha de treino e, enquanto isso, apenas uma coisa passava na minha cabeça: O que faz alguém correr uma meia maratona? O que leva alguém a ficar praticamente 2 horas correndo?

Barba me falava do trajeto. Não teriam praticamente subidas e era próximo de casa, um percurso que estávamos até acostumados. Não me perguntem o porquê, mas meses depois começava a fazer sentido me inscrever. Senti uma ponta de confiança ao pensar: Será que eu consigo? Vamos ver, me respondi em voz alta. Me inscrevi faltando 2 meses e 8 dias para a prova e o frio na barriga começou com um misto de tranquilidade e paz interior que me arrisco dizer que, só quem corre consegue sentir.

Fabinho mergulhou nessa comigo, como em todos os meus projetos furados ou os relevantes que me enfiei nestes 6 anos juntos. Acordávamos cedo, calçávamos os tênis, protetor, protetor labial, mochila de água e fugíamos. Todos os domingos, lembrava daquela pessoa que 8 meses atrás não conseguia respirar por 300m. Mas, que resolveu não parar. Desde o meu primeiro 1km, até os 15km, 16.5km, 18km, 19.5km, ele esteve em todos. Eu repetia: Só tenho que ir e voltar. Ele ria.

Eu sempre pensava que motivação faria alguém correr por tanto tempo? e o tédio? e a vontade de sentar e não fazer mais nada? a ansiedade de chegar em casa e ir para o almoço de família? os emails não respondidos? o trabalho? A verdade é que tudo isso é apenas um detalhe, quando se esta correndo. Me arrisco em dizer que quase não faz mais importância. Foi aí, que peguei gosto. Descobri que quanto mais longe ia, mais tempo eu ganhava de coração leve, mente tranquila e serenidade para os trancos da vida. Eu teria mais tempo para pensar, pensar em tudo e terminar sem lembrar de nada. Olhar para o asfalto se tornou a melhor terapia que eu poderia fazer por mim mesma. Era neste tempo que eu me aturava e brigava com meus monstros interiores. A insegurança, o medo, a ansiedade e a falta de compromisso. Cada quilômetro a mais, a recuperação doía um pouco mais, mas mal sabia eu que este era o combustível.

O melhor de correr é que tanto faz se você se está bem ou mal. Na verdade, se estiver mal é melhor ainda. Já corri com lágrimas no rosto, com o peito angustiado, brigada com o Fábio, ansiosa com resposta de trabalho: em todas elas, marquei meus melhores tempos. Terminava a corrida dando a importância certa para aquele problema e de que uma hora as coisas vão se resolver. E se não resolver, tudo bem também.

Há quem diga que o nosso semblante mudou desde que começamos a correr. Criamos um certo sorriso, sem estar sorrindo. Uma tranquilidade e leveza física, mas muito mais mental. Foi correndo que entendi que meu corpo é a minha casa e que preciso cuidar bem dela para que funcione bem. Foi correndo que entendi que posso ir além, mas que manter um passo seguro e bem administrado também é importante. Foi correndo que descobri que o trajeto não importa, quando se tem vontade de seguir em frente. Foi correndo que senti a minha fragilidade à flor da pele, mas que não chega nem perto da força que há em mim e eu não sabia. Hoje, apenas corro.

pésVi gente nova e muita gente com 60-70 anos. Minha vontade era parar e dar um abraço. Chegamos nos 16km e já não importava mais. As pernas sabiam o caminho. Ao mesmo tempo, o problema estava mais em cima: a mente. Esta talvez seja nosso maior desafio no asfalto ou fora dele. Barba queria registrar minha chegada e foi mais rápido nos últimos 3km. Por um segundo, me senti só. Uma solidão diferente. Eu estava com 3 mil pessoas ao redor e eu poderia parar, ninguém me impediria. Comecei a ver pessoas caminhando, sentadas no meio fio. Outras olhando para o relógio religiosamente, mudando de música constantemente, comendo gel de carboidrato para dar energia. A verdade é que nada disso funciona, se você não esta seguro com a sua mente. Ela te dirá para parar e você pode. Mas, por quê? “Tô chegando em casa“, eu pensava. Eu tinha energia em mim, mas minhas pernas me diziam outra coisa. Olhei no celular pela primeira vez na prova e faltava 1.100km. Apertei o passo. Controlei o impacto e fui. Fui, mais uma vez. Só que dessa vez: Cheguei aos 21.1km. Nossa primeira meia maratona.

Como tudo na vida, o trajeto foi sofrível. Nunca vou me esquecer das mensagens de incentivo que ouvi no caminho, a senhora com 60 anos que me inspirava, a nossa amizade forte, dores, desconforto, o prazer da água. Mas, foi incrível.

Hoje, me peguei pensando: 42K? O que leva alguém a correr isso? Talvez eu também tenha que descobrir…