Navegando em Tag

blog

O que aprendi, VIDA

> O que aprendi: com a Falta de Tempo

18/10/2015

Não ter tempo é o novo mal do século. A gente corre, corre, corre e parece nunca ser o suficiente para fazer tudo o que julgamos ser necessário.

Na verdade, não ter tempo, em determinada fase da vida é um presente que a idade nos dá, para aprendermos a nos entregar apenas com o que realmente importa. Os problemas ganham uma escala diferente e apenas nos abalamos, quando é algo realmente necessário. Caso contrário, é hora de apenas rir e relevar.

Quando não temos tempo, a rotina ganha um brilho diferente. O simples banho quentinho no fim do dia é uma benção, um refúgio, um suspiro. Dormir? Ah dormir! Dormir é um presente. Inspirar antes de dar o primeiro gole no café pela manhã é o melhor perfume para ganhar forças de começar o dia. O caminho de ônibus com uma boa trilha sonora, é quase uma terapia de estrada, uma viagem. Ver os amigos é um obstáculo maior, mas quando os encontramos é risada, afago e uma saudade que vai e volta em cada história. Valorizamos quem compreende a nossa fase como algo passageiro e, ainda assim, decide não sair do nosso lado. Quando não temos tempo é que a gente sabe para onde devemos correr e um simples café da tarde de meia hora com quem amamos, tem o poder de salvar a semana inteira. É na falta de tempo que podemos notar que, o maior investimento de tempo que fazemos na vida, é amar.

Quando não temos tempo é natural pedir a vida por mais horas, minutos, segundos. Mas, hoje é hora de aproveitar o que temos e não fazer nada correr mais que o natural. É na falta de tempo que a vida ganha outro ritmo, brilho e valor. É na falta de tempo, que nos respeitamos a correr não mais além do que podemos e valorizamos os mínimos detalhes da vida. Então, foi assim, correndo e brigando contra o tempo que recuperei o fôlego para ver a vida em outro compasso – sem perder a poesia.

Ah.. Por fim e finalmente: Bons tempos!

VÍDEOS

> TAG: Ele e Ela

15/10/2015

Oi, gente! Ontem foi dia de mais um vídeo lá no canal onde fizemos – uma parte – da TAG Ele e Ela. Espero que gostem e consigam curtir como foi o nosso domingo, bem domingozinho, junto com a gente! 🙂

Tenho, indico e preciso

> 4 Lugares para comer com preço OK na Vila Madalena

07/10/2015

Se tem uma coisa que nos bate saudade é morar no miolo dos bares e restaurantes da Vila Madalena/Pinheiros. Ainda estamos no nosso bairro do coração, mas desde que começamos a fazer outros planos que envolvem economia financeira, diminuímos muito nossas idas para restaurantes – também pelo fato de amarmos nosso universo e sempre nos oferecermos para cozinhar com os amigos. Por isso, fiz esta listinha! Sempre que podemos escapamos para um destes lugares onde nós colecionamos histórias engraçadas, momentos especiais, conversas com donos super gente boas e comemos legal sem gastar o olho da cara. Como eu sei que tudo isso junto é maravilhoso, vou contar para vocês.

11781650_901842519871624_4048949639387676783_n10988503_863028123753064_7558008823356125429_n

  • Massa na Rua: Quem está pela Fradique com a Arthur Azevedo durante a semana, tem que provar na hora do almoço! 13 reais é o preço dessa maravilha que você pode escolher a massa e o molho acompanhada de um pãozinho, molho bem caseiro e muito queijo ralado. Delícia que salvava nossa vida quase sempre. A loja oferece massas frescas, molhos e muitos produtos incríveis para você levar para casa. Os pratos são biodegradáveis e você ainda pode dar a sorte de encontrar uma banda tocando na frente.

10630610_779936672066184_2686736412726766717_o1044935_537870599606127_1393195116_n

  • O Barricão: Pensa em um lugar com vinho bem mais barato que em mercados e que ainda serve bruschettas enquanto você fica sentado vendo a vida passar na Rua dos Pinheiros? HÁ. Este aqui. Também tem cervejas variadas e artesanais. Não me lembro preços, mas se até nós fomos eu garanto que era bem tranquilo.

12096211_908624369215218_930695295528017150_n12088114_908122255932096_5618857145011167651_n

  • Dona Vitamina: Morávamos na rua da Dona Vitamina e apesar de não ser estupidamente barato quanto os outros lugares desta lista, lá você come BEM e o preço é justíssimo. Sucos, porções e pratos de comida cheios de frescurites gastronômicas que eu adoro. Tudo lá é cheio de amor! Eu fugia do apartamento todo dia a tarde para comer o bolo de limão. Em dias frios, comprava e levava a sopa de mandioquinha para comer de joelhos com o Barba em casa. Ah! somos os loucos do açaí e o de lá é maravilhoso!

4122598747_81922c5f18Vanidog-Vila-Madalena-podrao-comida-de-rua-cachorro-quente-5
foto: diariosgastronomicos.com.br

  • VaniDog: Frequentadores gentecomoagente da Vila já devem conhecer essa Kombi simpática que fica estacionada na Fradique Coutinho entre a Rua Aspicuelta e a Inácio P. Rocha. Sempre posto foto no snapchat e no facebook quando vamos lá, penso que vão rir da nossa cara e todo mundo quer saber onde é – Por isso amo vocês, SÉRIO. Vani, o food truck mais true e sincero desde 2000 e lá vai pedrada de anos. Vegetarianos não chorem, existe opção para nós.

O mais bacana é que Lucy rodou todos estes lugares na nossa cola. Então, pode levar o seu bichinho, sentar e encher a pancinha.
Para noites mais especiais e que merecem abrir a mãodevaquice, estou montando outro post com cantinhos cheios de amor 🙂

Espero que gostem. Quem sabe nos trombamos por aí?! <3

AMOR, CRÔNICAS

> Hoje não é dia de nada. Mas, obrigada, todos os dias, por tudo.

20/09/2015

Amor, hoje não é dia de nada – você pode pensar.

Hoje é um dia comum. Comum. Recebemos a conta de luz, paguei o IPTU. Você limpou o quintal e demos banho nos cachorros. Passamos café 3 ou 4 vezes. Cortamos as frutas da semana. Você colocou os cadarços nos meus tênis. Eu cortei o pézinho no seu cabelo. Fizemos uma sopa de saquinho para salvar a janta e a luz da sala está ameaçando queimar. Hoje, você fez aquela dança ridícula, pra me ver sorrir – e funcionou.

Hoje, amor. É mais um dia que te chamo de amor. Mais um dia que discutimos seriamente de quem era a vez de lavar a louça. Mais um dia em que você trabalhou até tarde e eu tentei te animar em algumas mensagens. Mais uma madrugada em que dormi com o computador no colo e você o colocou ao lado. Mais um momento em que lembramos que há cincos anos atrás estaríamos jogados no sofá à toa e sonhando com o agora.

Hoje, meu amor, estamos exaustos. Suando para que os nossos sonhos possam um dia brotar. Com uma saudade eterna, querendo que o tempo passe mais devagar. Vivendo a fase da vida que eu contava as horas para ver como seria viver, quando eu era nova. Hoje, nós vivemos o hoje com amor, e nada mais.

Hoje não é dia de nada. Mas, obrigada, todos os dias, por tudo. Pela simplicidade, cumplicidade e o dia a dia, que ao seu lado é tão mais divertido e, eu precisava agradecer. Afinal, não é todo mundo que faz uma dança idiota para o dia do outro ser mais feliz.

Hoje é mais um dia para amar, amor. E isso é tudo.

Ps: agora a luz da sala, definitivamente, queimou.

Inspirações

> 4 Documentários para Inspirar a Vida e a Busca pela Felicidade Genuína

12/07/2015

Falar sobre felicidade é algo delicado e individual, mas ao mesmo tempo simples e tão igual. Afinal, somos todos seres humanos: carne e osso. Buscando uma vida para desfrutar. Estava para ver estes documentários há muito tempo, mas tudo tem seu tempo certo e não poderia ter sido melhor. Terminei e corri aqui para montar este post, pois não posso deixar isso apenas comigo. Espero que inspirem vocês tanto quanto eu a trabalhar por uma vida mais leve, equilibrada e com crescimento pessoal, social, familiar e espiritual. Isso é tudo!

I AM – Você tem o poder de mudar o mundo.
iam

Documentário mais recente que assisti dessa lista. Trata- se de Tom Shadyac, diretor de filmes super clássicos como Ace Ventura e Professor Aloprado. Tom sofreu um acidente na cabeça e passa por uma fase difícil entre a vida e a morte e, dessa forma, repensa sobre o mundo e os valores ao seu redor. E não é que a solução estava na nossa cara esse tempo todo?
____________________________________________________________________________________________________

HAPPY
happy1

Happy é um documentário que segue a mesma linha do I am. Ele aborda questões como a relação de felicidade com muito dinheiro é algo ilusório e superficial. Happy mostra que pessoas são mais vivas e bem vividas quando cooperam e não competem, quando são úteis para as pessoas ao redor e possuem a clara certeza de que essas pequenas coisas de graça, são o motivo da felicidade na sua forma mais pura. O que mais me fez apaixonar, é o fato do documentário ser super pé no chão e consciente. ____________________________________________________________________________________________________

TARJA BRANCATarja-Branca-Foto-4

O documentário Tarja Branca, segue uma linha diferente dos outros documentários desta lista que abordam o tema sobre felicidade. Porém é igualmente inspirador saber como o ato de brincar é algo que precisamos para viver e manter acesa a nossa criança interior para a nossa paz ser uma constância no dia a dia.
____________________________________________________________________________________________________

EU MAIOR

Eu maior é uma reflexão de diversos entrevistados de áreas diferentes, percepções distintas e ao mesmo tempo, tão parte de um único todo. Já assisti pelo menos cinco vezes e é sempre mais incrível de notar novos valores ou de valoriza- los ainda mais. Assisto sempre que posso. Porque é preciso.

Os três primeiros documentários você encontra no Netflix.

Simples, não? ♡
Boa semana!

AMOR, Observando

> Relacionamento é complicado, mas só existe para descomplicar

08/05/2015

“Relacionamento é uma coisa complicada”, é a frase que a gente mais diz quando alguém ou a gente mesmo começa um. E ó, é complicado mesmo.

Não esteja com alguém se não for para ser o seu melhor e arrancar o melhor que a outra pessoa pode ser. Relacionamento é para se evoluir lado a lado. É cuidar da casa e de tudo quando o outro fica doente, segurar a bronca das contas quando o mês do outro foi ruim e assistir a um filme de terror de vez em quando, só pela companhia. Aliás, se relacionar é isso: o prazer da pura companhia e nada mais.

Sentar na sala o dia todo, jogando conversa fora e vendo besteirol na televisão. É jantar no quintal só para mudar um pouquinho, quando a fase não está das melhores e não está fácil bancar um bistrô. Estar cada um com o seu trabalho extra no final de semana, mas dividindo um sofá apertado, só para ter o outro por perto. Relacionamento é não precisar de muito e ter tudo: uma boa companhia para qualquer hora, chorar ou rir – ou chorar de rir.

É saber que fora todo esse conforto existe um mundo imenso além de vocês, repleto de amigos e bons momentos para se viver com novas pessoas e lugares. Relacionamento é quando seus amigos não diminuem, mas viram dele também e os dele os teus: o mundo se torna ainda maior, melhor e com mais histórias.

Ter a delicadeza de reparar quando um não está se sentindo bem consigo mesmo e deixá- lo dormir em paz ou levá- lo para umas comprinhas e passar um café. É lembrar de comprar o iogurte que o outro gosta quando se está no mercado, dividir as dores de um momento ruim do dia em um monossilábico e-mail e saber quando é hora de ser amante ou ser amigo. Se relacionar é ser cúmplice.

É ter a melhor pessoa para se levar para qualquer lugar, mas naturalmente ter o seu momento de sair sozinho ou onde bem quiser. Saber se no café dele vai açúcar ou adoçante, fazer apostas idiotas e aprender a rir juntos quando a máquina de lavar não centrifugar. Relacionamento precisa ser divertido – e com tesão. Se relacionar não é ser um, mas sim, dois: mais inteiros, mais vivos e mais fortes.

Relacionamento é complicado, mas o seu único objetivo é o de descomplicar a vida de ambos os lados. O que se pode querer mais? A gente se relaciona para descomplicar, pois de complicações já basta as que a vida nos dá.

foto por: the time we have

AMOR, Cartas

> Prometo não encher o saco, Amor.

05/04/2015

Amor,

prometo topar qualquer problema ou dilema ao seu lado para amadurecer e levar a honestidade em cada palavra para evoluirmos juntos. Tudo bem? Claro, eu prometo ser apenas quem eu sei ser: sem máscaras, sem metades. Serei inteira e isso pode, por vezes, não ser tão fácil – para você.

Por isso, prometo saber a hora de parar e te dar espaço, dar o seu momento de solidão quando for necessário, pois só assim estaremos cada vez mais próximos. Prometo respeitar seus limites, mas quando for possível, meu bem, fique sabendo que podemos ir além. Estarei sempre aqui.

Prometo somar calma, sossego e respiro, e trazer todo esse bem, primeiramente para mim, antes de te encontrar, pois é o mínimo: me amar e me cuidar – faça o mesmo por você, sim. Prometo não projetar expectativas, padrões ou uma lista de como você deve agir. Prometo, acima de qualquer coisa, valorizar o seu jeitinho – só seu e bizarro – de me amar. Prometo estar atenta e enxergar o momento certo de falar ou só te abrigar em um abraço. Serei sincera, é só o que podemos ser, mas prometo também, meu amor, nunca te negar meu ombro. Nunca, parceiro. Prometo, ou melhor, te aviso que terei meu mundo e você o teu para construirmos nosso universo. Sempre será assim.

Prometo saber viver sem você porque é saudável não depender de alguém. Prometo amar, nunca aceitar vir a me acomodar e não deixar um problema adubar ao ponto de virar algo gigante para domar e sanar. Prometo cuidar do Amor. Prometo parar de prometer um pouco, pois sei que isso pode vir a cansar, mas, acredite, não é por mal. É por amar demais.

Prometo não encher o saco do Amor, amor. Deixa estar, fluir, ir.

Revisão de: Thaís Chiocca