Navegando em Tag

alimentação vegana

No meu prato por um dia, RECEITINHAS

> No meu prato: Algumas ideias para refeições Veganas

18/07/2017

Sempre me pedem para postar receitas aqui e no canal e eu gosto muito que você curtam o que fazemos por aqui 🙂

Como comemos 80% das vezes em casa e deixamos tudo bem adiantado, tudo flui bem rápido no dia a dia. Pensando nisso resolvi compartilhar algumas ideias de refeições veganas fáceis que mais gosto e que são bem simples. É mais caro? bem, veja você mesmo. Usei menos ingredientes que eu usaria se tivesse carne, ovo e leite e ainda reaproveitei para outras refeições os resíduos do leite vegetal. Bacana, né? Também me surpreendi.

O amado arroz e feijão. Não é todo mundo que sabe, mas o nosso queridinho é uma fonte e tanto de combinação proteica para os aminoácidos completos que tanto dizem por aí. Assim como a junção de outros cereais com grãos e leguminosas.

O arroz integral eu preparo uma vez na semana (isso varia um pouco) e congelo em potes. Não tem uma quantidade muito definida pois não é todo dia que comemos. Deixo no freezer e descongelo conforme dá vontade. O feijão também, tentamos variar ao máximo. Fazemos ás vezes o preto, branco, ervilha síria, ervilha verde e assim vai. Cenoura e o repolho eu deixo picada em potinhos e a mandioquinha também cozinhamos e depois é só descongelar. Rapidex e colorido!

Nessa uma variação do primeiro pratinho. Só que sem o feijão e com batata doce que também cozinhamos e deixamos em um pote para 2-3 dias. Nos dois pratos temos almôndegas (tô numa fase apegada), no primeiro é de lentilha e no segundo de ervilha. Costumo fazer meio que no olho mesmo, mas a receita é bem parecida com essa aqui. Gosto de colocar um pouco de molho de tomate para acompanhar.
Aqui fazemos hambúrgueres, almôndegas, bolinhos de diferentes grãos e deixamos prontos para só descongelar e assarmos quando quiser. Por vezes coloco proteína isolada de arroz para dar um plus e liga na massa, mas o uso da proteína é somente porque temos orientação nutricional.

Um dos meus pratos favoritos que foi uma das minhas jantas semana passada é esse escondidinho de batata doce (ou a normal ou mandioquinha) com cogumelos refogados. Vou mostrar essa receita no canal essa semana, dá um pulo lá 🙂 Mas é tããão simples e aconchegante, sério. Ah! Coloquei tofu em pedacinhos.

Essa foi no almoço mais ligeiro de todos: macarrão integral com cogumelos refogados e pasta de tofu. Eu compro a pasta de tofu orgânica no mercado, tem um preço super ok e rende bastante. Refogo os cogumelos e coloco uma ou duas colheres para deixar cremoso. A saladinha foi parecida com a do segundo pratinho 🙂 Compramos quase semanalmente legumes e verduras, tentamos sempre pegar cada semana algo diferente.

Para o jantar, resolvi aproveitar que ainda tinham cogumelos então só coloquei molho de tomate, mostarda e um pouco do leite de aveia que eu tinha misturado com tofupiry. Um estrogonofe rápido e que ficaria delícia em um pãozinho também, mas tinha arroz na geladeira do almoço 🙂


Ainda sobre as almôndegas, essas são com feijão branco e muuuita salsinha, cebolinha e tahine. Junto com macarrão de beterraba, tofupiry e abobrinha tostadinha na frigideira só com sal e curry.

Outra ótima descoberta foi colocar o resíduo do leite vegetal de aveia na minha amada panqueca de banana (com bolos e cookies também funciona). Deu bem certinho e ficou uma delícia. O leite eu costumo fazer de aveia pois é mais em conta, mas o de amêndoas é o mais gostoso na minha opinião. Adoro comer essa panqueca com uma colher de geleia sem açúcar e, se precisar no dia, acrescento um pouco de proteína isolada na mistura – mais uma vez, isso fica por conta do acompanhamento com a nutricionista.

Como sei que a pergunta “mas você é vegetariana ou vegana” virá, vou me adiantar.

Já tem um tempo que venho reduzindo ovos e laticínios do dia a dia, só não faço muita questão de ficar dizendo, pois não tenho intenção de criar nenhum rótulo pra mim e porque algumas pessoas são bem intolerantes quando dizemos que ainda comemos em algumas ocasiões – o plural aqui é pois já vi acontecer em outros blogs e amigas próximas. Minha relação com a comida sempre foi para comigo, buscando o meu equilíbrio no meio ambiente. Confesso que me dá um pouco de preguiça ter que me justificar o tempo todo, coisa que nem minha mãe me questiona, e receber comentários como “mas, o fábio come carne”, “mas na foto da mesa tinha carne”, “essa proteína parece carne moída” e mais outras tantas. Ainda se fossem mensagens de preocupação ou para me ajudar, acharia bacana, mas é por intriga. Infelizmente muita gente acha que isso é uma competição de quem é mais evoluído ou diferentão – eu tô de boa. Só por isso que não fiz questão de contar “virtualmente”, já que poderia ser e deixar pesado um processo que, para mim, só tem sido e me deixado mais leve, no meu ritmo.

Em casa é bem tranquilo. Deixo as exceções como principalmente os queijos, para dias em que saímos ou algo assim. Ovo não tem feito falta, consegui substituir a maioria dos preparos como bolos e panquecas. Leite tenho feitos os vegetais principalmente de aveia aqui em casa e foi o que me fez me sentir mais leve imediatamente. Ainda existe o desafio de ver comidas e desvendar a composição e ler rótulos, mas acredito que seja um processo de adaptação que depois vira quase automático e acostumamos com algumas marcas.

A questão toda não se trata sobre somente o prazer de comer, mas ajuda se você começar a ver outras formas de preparar as refeições do seu dia a dia. Pesquisa “qualquer coisa” vegana no youtube que você encontra. Sério! Olha quanta receita eu peguei de um único canal 🙂 É demais como tem gente disposta a compartilhar e contribuir!

A cada dia que assisto documentários e filmes sobre alimentação vegetariana/vegana, venho percebendo como é algo como voltar a simplicidade e sobre ver o meio ambiente literalmente como parte do nosso dia a dia. Não é mais sobre a comida como única fonte de prazer da vida. Sim, comer nos traz satisfação e todos temos grandes apegos e histórias ao redor da mesa, com toda certeza, mas isso precisa estar fundado em uma base consciente: Tanto do que é saudável para o corpo como para o meio ambiente e aquele abraço na alma. E esse equilíbrio, é cada um consigo mesmo que irá encontrar.

É o que seguimos buscando. Mais cores, paz e simplicidade.