Ô beleza!

> LOOK PARA APROVEITAR O RESTINHO DE INVERNO

24/08/2017

Não sei bem como está pelos outros cantos do Brasil, mas desde semana passada que estamos em dia BEM cinzas por aqui. Eu adoro o inverno, apesar de nos últimos dias sentir bastante saudade daquele solzinho leve no começo e no meio do dia. Mas foi no dia destas fotos que ele fez questão de aparecer! \o/

Adoro um look versátil, daqueles que você muda a blusinha e tem algo completamente diferente para outra ocasião. Vou dividir com vocês 2 looks para curtir o restinho do inverno com as peças que chegaram esta semana da Amaro. No site e guide shops você encontra uma seleção de vestidos de festa, óculos feminino, rasteirinhas e vários modelos de croppeds. Dá para se perder com tanta coisa linda!


O tanto que eu amei essa t-shirt? não tá escrito! Adoro essa lavagem detonadinha e a estampa. Uma ótima escolha para qualquer evento! Com um maxi colar boho deve ficar demais. Outra paixão foi esta calça. Gente, sério, o que é esse jeans? Modelo lindo e cintura média do jeito que eu adoro. Além de ser flare <3 muito amor.




Esta jaqueta também foi amor a primeira vista no site. Apesar da dúvida de pegar na cor rosa claro, mas né, pretinho básico a gente não dispensa. Acredito que ela aparecerá bastante por aqui 😛 O cropped cinza de tricô é aquela peça que serve tanto para meia estação para usar sem blusa ou para o inverninho safado brasileiro com essa jaqueta, por exemplo. Com tecido molinho e confortável, é um peça coringa para ter no armário. Adoro estes modelos!

Espero que estes looks possam inspirar um pouquinho os de vocês.

Aproveitando cada segundo para usar as jaquetas, botas e tricôs!!

Créditos: Calça Flare | T- shirt Unicórnio | Jaqueta | Cropped cinza

Playlist

> Playlist: RoadTrip: SP – Ouro Preto #NNVVIAJA

21/08/2017

No final do mês de julho fizemos uma viagem super especial com a família do Barba. Quer dizer, com a nossa família. Foram momentos bem engraçados e especiais que logo logo estarão registrados em vlogs para vocês lá no canal. Estou amando editar e reviver e rir rir rir de cada momento. Espero que possam sentir tudo isso também!

ENFIM, NÉ.

Uma coisa que vale muito compartilhar com vocês e, isso não poderá esperar pelos vlogs, é a playlist da viagem!

Desta vez o Fernando, meu cunhado, fez uma playlist no spotify para colocarmos as melhores músicas para viajar. Tem de tudo um pouco e tem MUITA música boa. Posso dizer que as melhores. Viveria com essa playlist 🙂

Espero que ela possa embalar uma viagem, faxina ou dia de vocês por aí também \o/

Não esquece de seguir a gente no spotify, é só clicar aqui <3

CRÔNICAS, VIDA

> A realidade é difícil de aceitar

15/08/2017

Eu nunca fiz força para ser uma coisa diferente. Nem imagino como seja isso.

Na verdade, por um longo período eu fiz de tudo para mostrar que pouco importa como estou por fora. Eu não queria que me vissem, mas que me enxergassem além dessa casca que chamamos de aparências. Como é difícil para o ser humano, né? Quase impossível.

Faz mais ou menos 4 anos e meio que tenho este blog. Apesar de receber muitas perguntas sobre como é lidar com a exposição, eu me sinto ok. Não mostramos, postamos ou contamos nada além do que nos deixa confortáveis e do que contaríamos por aí. Nos vídeos, fotos e registros Fabinho está quase sempre de chinelo e sem camisa e eu quase sempre de suéter e descabelada – ou de coque para concentrar todo o descabelamento em um ponto só. Assim seguimos vivendo a vida como temos que viver. Para a maioria das pessoas é fácil aceitar que este é o Fabinho e que ele tem a forma dele de ser no mundo. Já no meu caso, não parece ser tão normal assim.

É engraçado pensar o quanto uma mulher demonstra ser corajosa por aparecer sem maquiagem e o quanto a gente precisa se justificar porque a unha não está impecável, quando o look do dia é o mesmo de ontem ou quando resolvemos sim meter um batom vermelho pela manhã, só porque estamos afim.

Muita gente ainda não entendeu que mulher não é vitrine. Muita dessa gente, isso é triste, é mulher.

Estou eu, na minha casa, fazendo almoço e com a calça cheia de pêlos dos meus cachorros. A minha vida é rotineira e entediante para a maioria das pessoas, eu sei. Para mim já foi também. Trabalho diariamente para enxergar beleza da vida nos mínimos detalhes, sem precisar de muito, fico sozinha a maior parte do dia e sem esperar que algo mirabolante aconteça para que eu seja feliz. Aprendi a deixar a vida ser e, consequentemente, a me deixar ser.

Amo a liberdade de ser quem eu sou com a pessoa que eu amo e com meus amigos. Amo a leveza que o meu companheiro sente de simplesmente ser junto de mim – não ser do jeito que eu quero. Quer dizer, eu amo o que ele é, senão não teria graça. Isso é tudo que desejo para todas as pessoas. Isso é felicidade.

As pessoas postam e escrevem textos imensos de que a internet, o facebook e as redes sociais precisam de mais realidade, mas será que estas pessoas sabem aceitar e lidar com a realidade? Será que algo enfeitado e montado não atrai muito mais? As pessoas querem ver pessoas sendo como elas querem e seguindo o que dizem ser um padrão de felicidade, não sendo livres.

Pessoas reais não usam maquiagem, pessoas reais usam maquiagem quando querem e porque gostam, não porque dizem que elas precisam estar 100% do tempo perfeitas. Pessoas reais tem roupa rasgada, meia furada e roupa repetida. Pessoas reais compram uma roupa nova porque amaram, precisavam e usam uma roupa chiquérrima quando querem – até mesmo para ficar em casa.

Pessoas reais não perdem a oportunidade de viver a vida. Pessoas reais ficam suadas, saem de cabelo molhado, mexem na terra, levam marmita, lixam móveis, esfregam roupa no tanque, juntam dinheiro para um restaurante caro para fazer algo diferente, tem unha lascada e fazem quando o tempo ou a vontade permite.

Pessoas reais estão vivendo a vida delas, que pode muito bem ser diferente de tudo que descrevi acima. Pessoas reais estão buscando o equilíbrio em todas as áreas entre o que amam, precisam e sonham. Formando uma versão melhor a cada dia: e isso não é coisa que só se vê no espelho. Pessoas reais falam, gargalham, sentem vergonha, choram, gritam, silenciam quando necessário, ficam sozinhas com a netflix na sexta-feira e param no primeiro boteco de esquina sem conhecer ninguém se é isso que estão afim.

Pessoas reais possuem uma vida normal, além da que é compartilhada. E elas sabem que as outras pessoas também são assim. Afinal, quão profundo é o ser humano para caber em apenas um feed? Estas pessoas procuram o lado bom das coisas, aceitam o lado ruim e seguem vivendo um dia após o outro.

Pessoas reais aceitam a liberdade de ser e sonhar das outras pessoas.

Isso as selfies não mostram. Precisamos sentir. Precisamos SER mais.

“Somos só poeira estelar”.

Ler & Ver

> 4 Livros sobre corrida que você precisa ler!

14/08/2017

Sempre me perguntam que livro estou lendo por aqui. Confesso que não sou das que sempre está lendo livros novos, mas releio muitas vezes os meus queridinhos. Até comentei um pouco disso neste vídeo no canal há um bom tempinho atrás.

Ultimamente a corrida invadiu até mesmo a minha estante e eu não poderia deixar de compartilhar essa dose de energia e vida – até mesmo para quem não corre com 4 livros sobre corrida que você precisa ler. Então, vamos falar sobre corrida e superação?

  • Correr – Drauzio Varella

Quando começamos a correr a primeira história que me chamou atenção foi a de Drauzio Varella. Lembro que uma amiga me falava que o Drau era maratonista. “HÃ? COMO ASSIM?” foi a minha primeira reação, então quando descobri que ele começou aos 50 anos, minha admiração, que já era imensa, ficou ainda maior. Eu estava atrás do livro dele e não encontrava de nenhuma livraria perto de casa e íamos viajar para os pais do Fábio no dia seguinte. Quando chegamos lá, meu cunhado tinha comprado o livro e ele chegaria ainda no tempo que estaríamos lá. Li o livro em 1 dia e meio e precisei fotografar as últimas 4 páginas para ler no carro e voltar para SP. Mas não poderia deixar para depois! O livro é contagiante e muito leve de ler. Apesar de ser da área da medicina, os relatos também são bem pessoais de como aconteceu essa jornada. Já contei melhor sobre este livro aqui, mas não poderia deixá-lo de fora desta lista.

  • Do Que Eu Falo Quando Eu Falo de Corrida

O livro conta a história de Haruki Murakami que nos anos 80 decidiu vender o seu bar de jazz para se dedicar a escrever. Neste mesmo período começou a incluir corridas na sua rotina para manter a forma e acabou encontrando uma grande paixão. Um ano depois  ele completou o trajeto entre Atenas e a cidade de Maratona, na Grécia e pegou amor pelas longas distâncias. Hoje ele é um triatleta e seu livro foi traduzido em muitas línguas. É um livro para apaixonados pela vida e por correr. Ou para quem deseja se inspirar para cada um deles.

  • Eu amo Correr

Este livro é sobre muitas histórias de pessoas diferentes envolvendo a corrida. Apaixonados pelo mesmo esporte, mas com motivações bem distintas. Com fotos e relatos pessoas, o livro mostra a experiência de cada corredor que, de alguma forma, encontrou na corrida uma forma de ganhar mais qualidade de vida e limpar a mente dos problemas do dia a dia e até mesmo lutar por outras causas e fazer o bem. Você verá relatos de pessoas que venceram o câncer e outras doençãs, uma pessoa faz camisetas com fotos de crianças perdidas para ajudar a “divulgar” em suas longas corridas, mulheres que começaram a correr para ir ao trabalho e economizar a condução. É incrível!  A leitura é rápida e abro aleatoriamente para ler. A  parte mais legal é que parte da renda é revertida para projetos sociais ligados ao esporte.

  • Nascidos para Correr

Foi no aniversário deste ano que Fabinho ganhou este livro de uma amiga nossa. O título me deixou curiosa e fiquei ainda mais quando soube que a proposta era sugerir uma corrida mais minimalista e isso significava correr descalço. Sim, sem o tênis X ou Y master ultras blaster de amortecimento. “Mas e os joelhos? pé? e as articulações?”. Pois é, são em 200 e tantas páginas que o autor conta sua história com a corrida e sobre a tribo dos Tarahumaras, os “ancestrais da corrida”, como gostam de chamar. Eles vivem em um terreno totalmente irregular e montanhoso no México e correm muitos quilômetros todos os dias como estilo de vida. O livro é incrível e super inspirador. O autor aborda temas como nutrição, puxando muito para o lado vegetariano, pois grande parte dos corredores de longas distâncias adotaram esta dieta – não fazia ideia. Inclusive a base alimentar deste povo é feijão, abóbora, pimentões, milho e chia. Outros temas mencionados são, é claro, tipos de pisadas, marketing de empresas esportivas, dores na coluna e joelhos e a história de grandes corredores e corredoras de ultramaratonas. Li metade 2 dias antes da nossa maratona, foi uma grande inspiração.

Espero que estes livros ajudem a inspirar nas corridas e na vida de vocês. Correr mudou a minha vida, acho que posso dizer que a nossa vida. Não resolveu nenhum dos nossos problemas, mas nos ensinou que tudo pode ser ultrapassado se respirarmos fundo e seguirmos sempre em frente.

Pedaços+Momentos

> Pedaços + Momentos: Rotina, te amamos!

07/08/2017

Faz uma semana que voltamos de uma viagem de 10 dias com a família por terrinhas mineiras. Voltar a rotina é algo imensamente prazeroso pra mim, pois aprendi a gostar de cada detalhe do dia. Claro, lavar louça não é legal, pegar sujeira dos cachorros o dia todo muito menos e sair do sofá com pêlos até a testa nem se fala. Mas, fazer feira, dividir o café da tarde, acompanhar a hortinha e dormir na nossa cama são pequenos detalhes que renovam.


Lucy anda calma, muito calma. Segue feliz da vida e com ataques sem noção por não saber dosar o seu tamanho, mas serena. Para nós é estranho vê-la entrando nessa fase. Ele sempre foi a filhotona grande da casa e, agora, esta ficando mais velha com seus quase 5 anos. Ás vezes é difícil lidar com o tempo que insiste em voar.


Ringo segue preguiçoso, mas anda mais ativo que o normal. Corre, brinca, voltou a destruir o vaso da lateral do quintal. Agora reveza o sofá com a caminha que fica ao lado e nunca, nunca, desgruda da sua irmã. Acredito que isso nunca irá mudar.


Fabinho voltou ligado nos 220. Muitas gravações, projetos com bandas em andamento, pós e freela daqui e de lá. Como sempre mantém a calma e me passa um pouco dela quando o coração começa a apertar. Fabinho sabe valorizar e sustentar os bons momentos, tem um coração com boa memória de emoções. As minhas, aprendi a controlar melhor, mas por vezes insistem em esquecer de bons momentos que me renovaram 7 dias atrás. Espero que isso seja contagioso com os anos.


Essa semana estava com aquele inchaço de TPM bem chato, dificuldade de me concentrar, cabelo e pele secos e torcendo para vir uma chuvinha para umidificar o ar. Não foi uma das semanas mais tranquilas, não corri legal e me senti um pouco perdida com a quantidade de coisas para fazer. Ainda assim não nos faltou nada – fica difícil reclamar. Para algumas pessoas pensar que temos o que comer, o que vestir e onde dormir, pode soar dramático demais, mas os problemas ficam pequenos quando valorizamos isso.

Acredito que na próxima semana o fôlego e energia voltem com tudo. Espero. Até lá sigo o ritmo que o corpo mandar. Afinal, ele sabe mais do que eu quando precisa silenciar e sossegar. Por mais intensa e hiperativa que eu goste de sempre estar.

As fotos são do #SemanaNNV do instagram. Segue lá que toda semana coloco um resuminho dos nossos dias 🙂

Por aí

> PATAGÔNIA CHILENA: NOSSO ÚLTIMO DIA

05/08/2017

Despedir da patagônia foi algo difícil, mas simples de fazer. Apesar do desejo de ficar mais tempo o sentimento de que cumprimos o nosso tempo ali era grande e completo. No nosso último dia poderíamos ficar pelo hotel ou partir para realizar um pedaço de um passeio ao Parque Aikén del sur, uma reserva com 250 hectares. Lá é possível fazer trilhas, passeios guiados e ver toda a biodiversidade da região de Aysén. O parque é bem estruturado e lindo demais. É verde para todo lado.

Se você é como eu e Fabinho, ficará encantado. Ficamos rodando e lendo todas as placas de informações do local onde tem tudo super bem explicado e informando cada detalhe do lugar.

Neste dia acabamos almoçando super cedo, afinal depois iríamos partir para 2 horas de transfer com o pessoal do Loberias até o aeroporto de Balmaceda e depois todo o caminho de volta até Santiago. Foi uma viagem tranquila e muito relaxante apesar de todas as caminhadas. O pacote do hotel é completo e desde que você desembarca no aeroporto não precisa se preocupar com mais nada. Foi um prazer enorme estarmos em um lugar para mostrar um pouco da riqueza da Patagônia para vocês e com pessoas tão atenciosas em todos os passeios. Saímos de lá com o coração cheio e sabendo que um dia, mesmo velhinhos, iremos voltar.

Passamos boa parte do dia viajando. Chegamos no aeroporto e encontramos com o pessoal do Venturas que nos ofereceu o transfer até o Hostal, que foi maravilhoso devido o cansaço da viagem. Chegamos a noite, comemos um lanche pela região e capotamos. Dia seguinte iríamos aproveitar ainda mais um pouquinho de Santiago! Mas, aí, fica para um próximo post 🙂

NOSSOS PARCEIROS <3

www.loberiasdelsur.cl
www.venturas.com.br

VEJA ESTE DIA EM VÍDEO NO CANAL:

 

Por aí

> MALA DE VIAGEM PRÁTICA

01/08/2017

Muita gente tem pedido para falar mais sobre minha mala de viagem prática e, eu confesso, que acho engraçado, hehe. Porque acho que não tem nada demais. Mas, talvez aí esteja o segredo.

Desde que conheci Fabinho viajamos pelo menos uma ou duas vezes no ano para visitar os pais dele. A gente tem um ~porquinho viagem e vamos juntando para matar a saudade acumulada em alguns dias. O detalhe é que Fabinho odeia despachar mala, esperar, a função de aeroporto e demorar mais pra sair. Resultado: tive que me adaptar em sempre levar uma mala de mão para ficar desde uma semana até 20 dias fora de casa.

Claro que lá temos toalha e também máquina para lavar roupa, ponto. Já facilita a vida. Mas, aprendi que não adianta ficar nessa de levar tudo e usar só 5 peças. Aprendi a aceitar e levar só essas peças que realmente sei que vou usar – e de preferência que combinem entre sí.


O primeiro passo para montar uma mala de viagem prática é tendo um armário sincerão, o que quer dizer, um armário com peças que você usa, gosta e se sinta bem. O número de peças é você com você mesmo. Mas, acho bacana termos looks que sabemos que são confortáveis e caem bem na gente naquela fase.

Primeiro item que separo são as lingeries, pois é fácil de fazer uma média com o número de dias que ficaremos fora. Coloco dentro de um destes saquinhos quando tenho espaço sobrando, senão coloco entre o vão das peças de roupa. Segundo item são as roupas de corrida que quase não ocupam espaço, pois no geral, levo shorts e camisetas que tem o tecido mais fino possível para poder enrolar e ocupar o mínimo de espaço na mala (já que vou ter que colocar um tênis a mais para correr). Costumo levar 2 shorts (ou uma calça e 1 shorts) e 2 camisetas no máximo e lavo no lugar para reutilizar (isso vai desde a máquina de lavar dos sogros ou no banheiro do hotel mesmo, ÊTA FAROFA).

Terceiro item são as roupitchas! No verão é bem fácil! Costumo levar 2-3 shorts (um jeans claro, outro escuro e um estampado – por exemplo) e vou com a calça no corpo, por mais calor que esteja, só para ocupar menos espaço na mala. Geralmente também embarco com o sapato/bota que ocuparia mais volume, HÁ. No frio procuro levar 2 sweaters e 2 casacos mais reforçados. Também embarco com o casaco e calça mais volumoso e ás vezes vou com outro agasalho nas mãos fazendo a prevenida, mas na verdade é só para ter mais uma opção na viagem. Coloco os tênis e casacos neste espaço de cima da mala (onde ficaria computador e a outra divisória para pastas) e deixo um (ou a tolha) para colocar por cima das roupas antes de fechar a mala.

Blusinhas também sigo a mesma lógica das calças e shorts, só que com 3 peças a mais, afinal sujamos bem mais. Dou preferência para peças neutras e que combinem com tudo que coloquei na mala. Antes de guardar, faço uma pilha das camisetas e das calças/shorts e vejo como usaria cada look. Levo toucas, cintos, óculos, colares e detalhes como batons fortes para variar e diferenciar de um dia ou de outro.

Ah, não esquece do pijama!

Por último separo os itens de beleza. Bem, eu não sou das mais loucas de produtos então, confesso que fica simples. Deixo para usar alguns produtinhos do hotel e separo somente o necessário como: desodorante, creme de dia e noite, hidratante, demaquilante, bb cream, lixa de unha, batom neutro e 3 chamativos, lápis para sobrancelha, sabonete pequeno,  blush, rímel e lápis/delineador e algodão. É isso. Todos os produtos são pequenos, o que é ótimo para levar até na bolsa pessoal. Eu sempre falo que esqueço escova de cabelo, mas a verdade é que só “penteio” o cabelo com os dedos mesmo quando estão molhados e quando acordo, haha. Já aceitei.

Na bolsa pessoal minha ou do Fábio, coloco tudo de equipamento das câmeras, mini tripé, pendrive, computador e HDs. Gostamos de separar os itens pois se algum for roubado, perder ou esquecer a bolsa, o outro tem um cópia do material de backup gravado.

Foi mais ou menos com essa lógica que fomos para o sul todas as vezes no frio e calor e que fomos para o Chile no outono também. Na nossa passagem de Santiago para Patagônia não estava com mala para despachar inclusa, por isso fomos com tudo bem certinho e funcionou bem.

Espero que estas pequenas dicas ajude a organizar a mala de vocês!