Por aí, VÍDEOS

> #NNVVIAJA: SP até Minas –dia 5

13/10/2017

No nosso quinto dia chegamos em Ouro Preto. Pegamos uma estrada com muitas curvas e com um pouco menos de iluminação e sinalização, o que nos deixou com atenção redobrada, por isso parei de registrar com vocês. Enjoaaaamos que foi uma beleza no carro! ahahaha. Se encher de comida o dia todo e pegar um caminho com curvas não é uma combinação esperta, né amigos? 😛 Mas enfim. Em Ouro Preto ficamos na Pousada Toledo um lugar SUPER charmoso e agradável. Toda a decoração é colonial e dá vontade de abraçar as paredes de tão gracinha.

No dia seguinte tomamos café da manhã na Pousada e partimos para conhecer um pouquinho do lugar. Logo descendo a rua chegamos no Museu da Inconfidência, que é um super passeio com duração de aproximadamente 1 hora/1hora e meia. Logo ao lado fica a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, mas estava fechada para o horário de almoço quando chegamos. Logo em frente a fica o Teatro Ouro Preto (Museu do Oratório), mas deixamos para ver no final do passeio junto com a igreja.

Descemos e descemos até chegar na Igreja Nossa Senhora do Pilar, que tem uma vila muito charmosa cheia de artesanato, música, lugar para fotografar usando roupas antigas (sim, Fabinho não quis mesmo tirar foto comigo lá 🙁 hahahah) e relíquias. Depois caminhamos em direção até a Igreja do Rosário e acabamos almoçando no Hotel Senhora do rosário. O restaurante tem uma entrada super fofa, entramos, olhamos o preço do cardápio, achamos ok e depois que percebemos que fazia parte de um hotel.

Saímos e começamos a retornar para o ponto inicial do passeio. Mais bacana de viajar é que cada rua é uma novidade e, neste ponto, podemos dizer que rodamos bastante por lá. Já em frente ao Museu da inconfidência, fomos na Chocolates Ouro Preto, um lugar que muita gente recomendou e pedimos alguns bombons. Voltamos para a Igreja do Carmo e depois entramos no Museu do oratório. A entrada é paga, algo que fira em torno de 5 ou 10 reais, assim como o valor para a entrada nas igrejas.

Terminamos a noite no Restaurante O Passo, jantando em família e lutando bravamente para voltar para a pousada depois de todo esse dia pra lá e pra cá.

VEJA O VLOG DESTE DIA

CRÔNICAS, VIDA

> Existe algo que só você pode fazer por você

09/10/2017

Existe algo que só você pode fazer por você: correr atrás dos seus sonhos.

O universo pode até conspirar a favor, um dia podemos nos considerar com sorte por acontecer determinada coisa e, ainda assim, uma hora você terá que usar suas próprias pernas para correr atrás do que você deseja. Aconteça o que acontecer. Com sinais ou sem sinais.

Quando falamos em sonhos, logo vem em nossa mente uma enxurrada de coisas mirabolantes: comprar uma casa, ter X filhos até tal idade, viajar pelo mundo e o tal do sucesso profissional seguido por “ser rico”. Não que todos estes sonhos sejam errados, mas aprendi a encarar meus sonhos de uma maneira diferente para não me afogar dentro deles mesmos.

Sempre fui do tipo que sonha. Sonha até demais. Sonhava até me esquecer um pouco do presente. Até perceber, quando adolescente, que isso não me levaria a lugar nenhum. Eu apenas seria uma pessoa sonhadora. Passei a ir atrás dos caminhos que a vida me levava, até sem um pouco de foco, entretanto, hoje vejo que precisei passar por tudo e de tudo para escrever essas breves palavras. Tudo por ter dado pequenos passos que muitas vezes eram tão inseguros – mas ainda eram passos.

Um dos meus maiores sonhos, como o de muitos, era conhecer o mundo. Pesquisar quanto isso iria me custar financeiramente, de tempo e ainda sincronizar com meus outros sonhos, não animava muito. Foi então que parei de me lamentar e passei a conhecer o mundo ao meu redor. Viajava para Santos, Praia grande, Itu com a família e amigos que se fosse qualquer outro lugar que eu precisasse de visto para ir. Sim, as coisas possuem o valor que depositamos nelas. Criei memórias, lembranças e boas histórias em diferentes lugares sem precisar de um passaporte. Até o dia em que consegui fazer minha primeira viagem de avião e gosto de pensar que isso aconteceu porque aprendi a amar e viajar pelo meu bairro e dentro de mim mesma primeiro.

A verdade é que a gente tem que começar de alguma forma e que a vida sempre sabe mais do que nós mesmos do que precisamos passar. Cabe a nós abraçar e vivenciar. Isso não quer dizer ser feliz e realizado sempre, mas aprender e evoluir com as circunstâncias.

Sei que parece que a vida tem um fluxo e um caminho pré-definido que todos devemos seguir, mas acredite, ela não tem. Por isso, se for para lutar, sonhar e correr atrás de algo, que seja puramente pelo o que você deseja. Hoje, me recuso aceitar que estamos neste mundo como meros e pacatos turistas da vida: fazemos check-in nos sonhos turísticos que todos querem que a gente faça, tiramos fotos e partimos para o próximo. Acredito que estamos aqui para aproveitar cada segundo, aprender, compartilhar o que foi bom, cuidar do mundo, de nós, de quem amamos e vivenciar o que acontece ao nosso redor.

A vida irá nos agraciar com pessoas e momentos que irão nos motivar, sim, mas ela também mandará situações para ver até onde você quer lutar.  Se você quer algo, comece agora. Comece com o que você tem. Se é mudar de trabalho, trace um plano, busque conhecimento e comemore as mínimas conquistas. Se é para viajar aprenda a valorizar cada dia, faça corte de gastos e saiba que tudo tem seu tempo. Se é para aumentar a família cuide da sua saúde emocional, espiritual, fortaleça seu corpo, trace metas em casal. Para fazer uma maratona, você precisa primeiro fazer 1km, depois o 2km e depois o 3km. Um passo de cada vez. Comemore cada quilômetro e quem dividiu cada metro com você.

Concretizar um sonho só tem graça se sabemos aproveitar todo o caminho que precisamos passar para alcançá-lo.

Assim como no amor, a vida não nos pede que sejamos sempre perfeitos e impecáveis, ela quer constância. Pequenos gestos e decisões diárias que nos farão seguir de alguma forma ou que apenas não nos deixarão desistir. Comece. É difícil e muitas vezes até fisicamente doloroso, mas um dia valerá apena ter escolhido começar. Ainda que a gente precise se reinventar um dia, a gente sempre precisa, valerá ter dado aquele pequeno e inseguro passo dia após dia.

Seja lá o que você sonha, é algo que só você pode fazer por você. E eu sei que você consegue.

Aceite isso.

Por aí, VÍDEOS

> #NNVVIAJA: SP até Minas –dia 4

06/10/2017

No nosso quarto dia de viagem fomos em direção a São João del Rei um município do Sudoeste de MG. Foi um caminho lindo, como todos e com um pouquinho menos de curvas tão acentuadas, hahaha. Pegamos um lindo por do sol e chegamos no início da noite. Ficamos no Solara Hotel que é muito conhecido. Justo, né? Ele é lindo e uma gracinha! Sério, não tem como não se apaixonar pelas cores e decoração dos ambientes. Foi tempo de esticar um pouco as pernas, tomar um banho, jantar e cair na cama. Caminhamos e chegamos em uma região com alguns restaurantes e gostamos muito do Dedo de Moça, pois tinham opções bem diversificadas, como até mesmo 2 pratos exclusivos vegetariano/vegano. Há. Foi uma noite em família bem gostosa 🙂

Dia seguinte acordamos bem devagar, fizemos o checkout e fomos passear no centro histórico. No hotel mesmo conseguimos um mapa bem bacana de toda a região. No centro é tudo bem perto uma coisa da outra e as subidas não são tão castigadas (acredite, em ouro preto ficará ‘pior’). Cada canto você encontra um ateliê, lojas de lembranças, relíquias e um circuito de igrejas que você precisará de um dia todo ou fazer um pequena seleção, como nós fizemos. Acabamos parando na Taberna d’Omar, lugar onde o pessoal do hotel nos recomendou para jantar mas já estava fechado na noite anterior. Devo dizer que comi um dos melhores cookies da vida lá e meu sogro apaixonou no pão de queijo! Uma ótima parada para o café da manhã ou uma pausa no passeio. Passamos pelo teatro, igreja do carmo, igreja de santo antônio e a rua das casas tortas.

Nossa ideia era sair de lá para almoçar em Tiradentes, mas antes paramos na Sorveteria do Amado que muuuita gente recomendou. É um cantinho super querido e familiar, com sorvetes caseiros e o preço super gente como a gente. Por volta da 13:30 partimos e o caminho foi super rápido. Chegamos e escolhemos um self-service, assim cada um poderia escolher o que queria e fomos passear. Tiradentes é um município do estados de Minas gerais que reúne um forte movimento artístico, artesanal e com a segunda maior igreja em ouro do Brasil. As ruas de paralelepípedo, cores, loja de doces locais e restaurantes mineiras são incríveis. Caminhamos por meio de tudo e seguimos em direção a Igreja de santo antônio. Os pais do Fabinho entraram para ver, nós ficamos ali do lado de fora observando toda aquela imensidão verde. Descemos e continuamos a viagem rumo à Ouro Preto. Dessa vez estava mais perto 🙂

VEJA O VLOG DESTE DIA

Pedaços+Momentos

> Pedaços+Momentos: Um pouco de saudade

03/10/2017

Os dias em São Paulo andam uma bagunça. Um dia sol de rachar, termina com vento gelado e agora chuva, chuva e chuva. Haja saúde! Apesar de querer não vou reclamar, afinal, o tempo estava tão seco que até doía a cabeça da gente (não sei o que tem a ver este exemplo, mas é só pra ilustrar que estava ruim). Agora ao menos respiramos mais tranquilamente.

Lucy e Ringo não são fãs dos dias de chuva. Ringo mais ou menos, pois é um baita pretexto para ele deitar o dia todo no sofá ou na cama, já que ficamos com dó que eles tem menos espaço para ficar – esse é o nosso pretexto, confesso. Lucy fica com o olhar vazio e é difícil balançar o rabinho. Não pela chuva, ela AMA chuva. Se a gente bobeia com a porta aberta, ela vai pra chuva e empaca. EMPACA no meio da água. Então, ela senta no beiral da casa, olhando o quintal e a chuva caindo e deve pensar “meus donos adoram mais essa casa e o sofá limpos do que se eu pudesse correr e dançar por essa piscina gigante”. A gente tem mesmo essas frescuras Lucy. Ainda não deu pra superar.

Já eu me encontro um pouco perdida. Muita coisa para fazer, um estado de alta preguiça me domina nessa TPM (prefiro ficar sensível e chorar por 5 dias inteiros do que ficar improdutiva, mas não posso discutir isso com meus hormônios) e pouco Fabinho. Falta um pedaço nessa casa. Quando Lucy e Ringo não estão, a gente costuma dizer pra todo mundo que nos visita que eles não conheceram a nossa casa de verdade, falta a alma dela. Na verdade, falta algo quando qualquer um de nós não está aqui.

Ainda bem que hoje nosso time estará completo. Voltaremos a respirar mais tranquilamente – e não é por causa da chuva 🙂

Por aí, VÍDEOS

> #NNVVIAJA: SP até Minas –dia 3

02/10/2017

No nosso terceiro dia de viagem saímos de Itajubá e seguimos em direção a Maria da fé. O caminho da viagem é lindo: verde para todo lado e demos a sorte de um céu azul de pintura em todos os dias com um ventinho gelado no final do dia. O que deixou a viagem toda ainda mais gostosa! Tudo é bem pertinho, então não dá tempo de cansar.

Lá descobrimos mais um pouquinho da família do meu sogro e depois resolvemos almoçar por ali mesmo. Restaurante com comida caseira, simples e com preço justo. Comemos super bem. Saímos de lá em direção a São Lourenço, uma cidade bem turística e com diversos pontos para passeio. Na verdade, paramos para todos irem ao banheiros e acabamos ficando por alguns minutinhos no centro.

Seguimos viagem, mas aí é história para outro dia… 🙂

VEJA O VLOG DESTE DIA

Corrida, CRÔNICAS

> Valorize quem corre a vida com você

25/09/2017

Esses 42km tiveram um gosto diferente. Sabe quando você sorri quando fala sobre alguém? Então.

Domingo foi dia de corrida. Dia de corrida é sempre mais feliz. Quer dizer..

A gente passa a semana contando os dias, diminui musculação, fica atento na alimentação, cuida da hidratação, para o trabalho pra buscar kit, dorme cedo pra acordar as 5 da manhã. Só que nesse domingo de corrida, diferente de todos os outros, eu não fui sozinha. Alguns meses atrás no inscrevemos para participar de uma maratona de revezamento entre 4 participantes, no meu caso, 4 amigos para cada um correr 10.5km. No total, uma maratona.

Minha primeira prova foi uma meia maratona e a segunda prova uma maratona, ou seja, essa seria a primeira prova em que eu terminaria em menos de 1 hora. O frio na barriga é o mesmo, ansiedade e animação nem se fala.

Encontramos todo mundo e fomos. O dia estava perfeito: nem frio, nem sol e ainda tinha um ventinho gelado mesmo depois quando o sol resolveu dar um pouco as caras. Muitos grupos, pessoas de todas as idades e energia maravilhosa de sempre. Todo mundo em um só lugar buscando algum tipo de superação. Fui pronta para me divertir, rir e torcer. Afinal, corrida é sobre isso.

Cada dia que passa percebo como corrida é muito mais sobre a vida, do que sobre correr. Aprendi a cuidar da minha mente e saber o poder que ela tem sobre o que irá acontecer. Aprendi a esperar, a ir, acelerar, voltar, não parar e reduzir quando for preciso. Aprendi a agradecer a companhia das pessoas que desdobram as agendas para dividir alguns quilômetros comigo, nem que seja só uma vez por mês. Cada corrida é uma sensação especial e diferente assim como cada dia da vida. A gente pode se preparar ao máximo, mas não sabe o que pode acontecer. Foi correndo que aprendi a me preparar para qualquer resultado, bons ou ruins, mas independente deles, continuar correndo.

Terminei meus 10k em 54:34, mas já fiz treinos melhores. Gostaria muito de ter baixado mais o meu tempo, mas por pouco treino em subida, considerei um bom resultado. Minha amiga fez sua distância mais longa, a outra estava cansada e gripada e não deixou de ir mesmo assim e meu amigo manteve um baita pace mesmo com sol e elevações. Comemoramos, nos encontramos, rimos, falamos nas próximas metas, brincamos, comemos e comemos. Terminamos o dia com uma boa xícara de café.

Existe algo mágico na corrida: a gente é feliz pelo outro as vezes até mesmo sem conhecer. A gente enxerga as nossas limitações, as dificuldades das outras pessoas e une forças para conseguir descobrir correndo que podemos ir e chegar onde a gente quiser.

Nos meus primeiros 42.195km, não corri sozinha, fui com eles no coração. Dessa vez, fomos lado a lado e foi tudo mais leve. Como sempre é. Ontem corri ao lado das pessoas que nunca me deixaram desistir: dos meus sonhos, da vida, de planos, do amor, da fé e que me fizeram enxergar valor no que eu faço que nem eu notava. Ontem corri com pessoas que admiro muito. Me senti honrada.

Terminei o dia sorrindo e grata, assim como em todas as vezes em que falo o nome deles.

Por aí, VÍDEOS

> #NNVVIAJA: SP até Minas –Dia 2

20/09/2017

Nosso dia 2 começou cedo, aproveitando para fazer uma corridinha no Banhado, uma calçadão bem famoso em São José. Vimos um sol mágico, com um luz dourada linda. Foi incrível! Tomamos café no hotel e partimos em direção a Monteiro Lobato.

  • PRIMEIRA PARADA: MONTEIRO LOBATO

Como comentei com vocês no dia 1 da viagem, nós estávamos total pela família e momentos juntos. Não pensamos em pesquisar muito sobre os lugares. Mas vale contar que o município de Monteiro Lobato foi fundado em 1880 por tropeiros e imigrantes italianos. O escritor José Bento Monteiro Lobato contava sobre o contato com a natureza que aconteceu na Fazenda São José do Buquira, hoje conhecido como Sítio do Picapau Amarelo. Ele permaneceu de 1911 a 1917 
almoço do compadre. Fez parte da minha infância. Ficamos pouco tempo só para esticar as pernas, tomar uma água, ver o centro e partimos para almoçar no restaurante Do Compadre. Vale dizer que se um mineiro diz que 1 prato serve para 2 pessoas, na verdade ele serve para 4! hahaha sério, é muita comida!

  • SEGUNDA PARADA: BRASÓPOLIS

Em Brasópolis passamos para entregar uma lembrança de família do meu sogro. Curtimos a praça, tomamos sorvete de massa e sentamos por lá. Depois seguimos mais um pouco a viagem em direção a um lugar turístico e que muita gente não vê a hora de chegar na viagem: pé de moleque, hahahah.

  • TERCEIRA PARADA: PIRANGUINHO PÉ DE MOLEQUE DA BARRACA VERMELHA

Fomos a viagem toda seguindo o carro do meu sogro, quando vimos eles encostaram em uma parte da estrada, onde tinha mais uma fila de carros: O que aconteceu? Quando entendi, nos lembramos que um tempo atrás paramos naquela barraca, mas ela era muito mais simples. Desta vez estava quase um shopping, hahaha. Eu estava muito cheia, por isso nem comi nada naquela hora, mas dizem que o pé de moleque da barraca vermelha é o mais tradicional, produzido desde 1936. Comprei uma caixa para os meus pais e seguimos viagem com Fábio e Fernando comendo todos os tipos de doces com amendoim que você pode imaginar. Ah! o preço é super justo 🙂

  • QUARTA PARADA: ITAJUBÁ

Mais um tempinho depois paramos em Itajubá, um município de Minas com 90 mil habitantes. Ficamos no Hotel bramig, que era bem espaçoso, simples e confortável. Além de ter um banheiro grande para um único detalhe que tivemos na viagem, hahahah e vocês verão no próximo vlog 😉

Esse foi o nosso segundo dia de viagem! O clima estava super gostoso e pudermos rir muito em família. Nosso maior propósito 🙂

PARA VER MAIS DESTE DIA ASSISTA NOSSO VLOG