Observando, VIDA

> Observando: Sobre ser pequena

03/03/2015

Bom, o que posso te dizer? Meu médico disse que eu não iria crescer. Em poucas palavras: eu seria, para sempre, pequena.
E vivi minha infância como se o amanhã não existisse, como se tudo o que importasse era o agora. Corri, torci o pé, me sujei de terra, me pendurava em pé de manga, descia rampa dentro de um caixote e era a melhor jogadora de futebol para meu irmão. Minha infância passou.

Meu médico estava certo: eu não cresci. Empaquei no 1.57m de altura que depende da minha vontade e empenho no dia, pois se não me esforço muito já cai para 1.56m.

Fui zoada na escola – bullying, como dizem hoje em dia. Entrava na perua e não via a hora de chegar em casa. Minha mãe me dizia: “Não liga, menina, você crescerá em estatura e conhecimento, como Deus quiser.” E aí que não, Deus não quis, mas em conhecimento eu ainda poderia crescer. Mãe, obrigada! Vendo que a frase dela não funcionava muito bem, meu irmão me treinava para me defender e dar uma bela rasteira em alguém. Obrigada, irmão!

Vida de baixinha, digo, de pequena, não é das mais fáceis, mas é ao menos divertida. Com 20 anos você usa um all star e te dão 14 anos. Se corta o cabelo curtinho ou usa franja, já caí para 11. Socorro!
Salto alto é quase obrigatório, mas não, não tenho MBA nisso não. Alcançar armário é travar uma guerra consigo mesma e ter altura para entrar em brinquedos, e usar tamanhos de roupas infantis é uma vantagem DAQUELAS.

Por sorte, médico, não escrevo isso hoje com nenhum pouco de tristeza. Como minha mãe vai gostar que eu escreva aqui: Deus me quis assim. Já apontei pro céu xingando por todas as calças que precisei cortar metade das pernas e já agradeci por não ter batido a cabeça em prateleiras tantas vezes que todo mundo bateu. Pior que, de todas, eu não esperava por essa. Desde o começo, meu apelido com ele não foi amor, mor ou mô. Foi o que? Pequena.
A gente precisa desse tempo: o tempo para se enxergar. Aceitar que não se pode ter tudo, mas que a gente pode SER, o que é bem melhor. É inteiro, é sincero e não depende de fatores externos. Mas, viu, vem cá: o médico, sua mãe ou Deus vai te avisar e você acredita. Mas o seu maior tesouro, nessa vida, é ser a melhor versão de quem você é. Isso, é ser grande (olha aí a chance).

E aí que dessa forma, realmente, não é tão ruim ser pequena – ainda mais depois que se aprende a dar umas rasteiras. Valeu mesmo, mano! É sério.

Para sempre e com carinho,

Pequena – e sim, tô OK.

Revisão de: Thaís Chiocca

Se você gostou desse post, talvez também goste desses:

  • Marina Senese

    Poxa, se você se considera pequena com 1,57 eu com 1,50 tô ferrada! 😛 Como você pode ver há pessoas menores que você haha, eu nunca sofri bullying pela minha altura, mas é fato que pareço ser mais nova do que sou e acho isso bom na verdade. Mas a nossa espécie está em extinção, a nova geração já nasce com 2 m de altura! hahaha

    • Isadora Ribeiro

      Pra mim, abaixo de 1.60 é baixinha. hahaaha

      Sim sim, sempre tem um lado bom 🙂

      beeeeijo!

  • Thamara Lima

    Baixinhas tem charme 😀 eu sempre falo da minha altura 1,58 mas no fundo eu amo ser baixinha, tem lá suas vantagens! Beijos

    http://www.thamaralisal.com

    • Isadora Ribeiro

      Siiiiim, vantagem sempre tem sim. 🙂

  • Laura Hue

    1,57? Bate aqui! Tenho 1,57 e meio. hahahaha
    Mas eu digo que as baixinhas são as melhores (e somos mesmo hahaha)

    Beijos

    http://www.praquelado.com

    • Isadora Ribeiro

      o/*o
      E MEIO! hahahaha, adorei 😛

  • Priscila Farias

    hihihi que lindo!

    Quando criança (por que quando falo pequena as pessoas riem e dizem que não faz diferença) eu me sentia assim também. Partilho dos mesmos sentimentos… Hoje sou uma menininha feliz 😉

    beijo

    • Isadora Ribeiro

      “Quando criança (por que quando falo pequena as pessoas riem e dizem que não faz diferença)” É ISSO. hhahaha descreveu tudo 😛

      Sim! somos o que somos, né? vamoseamá! 🙂

  • Tiabetok

    sei como se sente, em parte, não sou tão baixa (tenho 1,70) mas meu marido tem 1.96 e é o menor da casa, o pai dele tem 2.0 e o irmão tem 2.6 então… sou relativamente anã no ambiente… pelo menos tenho gente suficiente para pegar as tralhas de cima do armário
    xero
    Desconstruindo blog

    • Isadora Ribeiro

      NUNCA tinha pensado dessa maneira, que inusitado e incrível. hahahah Com certeza, isso por aí, nunca será um problema ♥ beijo e semana linda por aí!

  • Karen Cristina

    oin isa acho tão fofo e amorzinho esse “pequena”. *-* (eeeee o/ comentei no blog huhu) beijo grande

  • Que tipo de ser humano de 1,63 eu seria se nao deixasse um beijinho emocionado, amei <3

    • Isadora Ribeiro

      hahahah adorei <3

      obrigada! outro beijin :**

  • Karina Vittes

    Ai que hoje eu tô sensível! Tô chorando até com texto de “pequena” <3

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk