AMOR, Entre crônicas

> Entre crônicas: Além das ramelas

09/04/2014

1500 dias ao lado dele. Do cara que me levou gentilmente em um dia qualquer uma caneca de café – que aliás, nem é sua especialidade fazer – enquanto eu ainda estava deitada. E eu, rabugenta, ou melhor sonolenta e, acordando meio mais para lá do que pra cá, não via nada a não ser um borrão barbudo sorrindo pra mim. Corri as mãos pelo meu rosto até chegar na direção dos olhos e pensei: “RAMELAS!!!”. E, eu não sei porque pensei nisso, pois já perdi as contas de quanto vezes abri meus olhos diante dele pela manhã, tarde ou noite. Ou nos dias em que ele me viu com uma virose lazarenta que pois pra fora tudo que tinha de bom e de ruim dentro de mim e, ainda assim, não saio do meu lado, mesmo com a cara enterrada na privada por 24 horas. Romantismo? companheirismo, prefiro chamar assim.
Sei que existem cafés e cafés, amores e amores e… Ramelas e ramelas? – não, não sou uma defensora delas, tirem as benditas por favor – Mas, só sei que eu segurei aquele café quentinho, enquanto o barbudo continuava sorrindo feito bobo: ele não estava nem aí pra aquilo. O amor quando pega mesmo, tem dessas, faz um cara ignorar se você está de moletom surrado, meia esburacada e as unhas por fazer. E faz você ver um bom parceiro, por traz de todo aquele cabelo sem corte. A paixão até nota essas minúsculas coisas. Mas, o amor, enxerga além, e só vê o que realmente importa.
Pois, no final das contas, o que importa é que o romance mais mirabolante da sua vida será ter alguém que você possa simplesmente ser: sem rodeios, sem frescuras. E vocês vão se olhar sorrindo feito duas bestas, porque fazem a proeza de não notar as ramelas ou as meras imperfeições que o outro carrega na bagagem. E mesmo se notarem, vão enxergar além disso: as janelas da alma de quem se ama, com um detalhezinhoinho a mais. Meros detalhes, que servem para compartilhar o riso depois. Afinal, não é pra isso que se divide a vida?
Só é humano por que tem defeito. Só tem amor quando se aceita ser humano.
Só é amor, quando se compartilha o que somos sem medo, para moldar uma versão com algo além de nós, e além do que podemos ver.
Um amor, além de qualquer ramela, é o que desejo para todos nós. Que assim seja. ♡

ps: Que venha o dia 1501.

Se você gostou desse post, talvez também goste desses:

  • Amo ler seus textos, Isa! E acho o amor de vocês leve, simples e tão verdadeiro. Acredito que é uma coisa “copiável”… a vida anda tão pesada e cansativa. A leveza que se encontra na alma é a única saída pra esses dias (semanas e meses, talvez) tão sem fim.
    Desejo muitas “ramelas” e motivos para vocês sorrirem nos próximos 1500 dias que vierem! 🙂

    • Isadora

      Chris, você é sempre tão querida!
      Com certeza. Criar este refúgio em nós, é sempre dúvida o melhor que podemos fazer por nós e por quem está ao nosso redor ♡
      Amém, tudo em dobro pra você! Um abraço apertado com muito carinho! :’)

  • Isa, linda! Não sei o que gosto mais no seu blog, se são as fotos perfeitas, ou os textos maravilhosos e cheiinhos de sentimentos! Amo tudo por aqui, você é uma super inspiração! <3

    Beijos ;*
    MihOliveira

    • Isadora

      Miiih, querida! ♡
      Que coisa boa de ler esse “retorno”. Mt obrigada por passar por aqui e deixar este recadinho com tanto carinho.
      Só coisas boas pra vocês :*