Observando, VIDA

> Observando: Sobre plantar e crescer

11/11/2013

E foi com 22 anos que me vi plantando sementes na terra para nossa horta. Li textos, procurei sites e artigos que falassem sobre técnicas melhores, modos de plantar e colher, época certa e cada mínimo detalhe que se possa imaginar. Empolgada com este pequeno sonho, fui até a casa do meu véio tão sabido, pegar mudas e sementes, tentando no caminho memorizar toda aquela enxurrada de dicas e detalhes para que tudo desse certo.
Fiquei falando, falando e falando tudo que li para ele. De todos os adubos, tipos de terra e pedras. Enquanto ele com seu óculos de grau e cabelos grisalhos estava sentado no degrau da escada do quintal, com os pés na terra me olhando com os olhos quase fechados, pois o sol estava forte, mas divinamente lindo naquele fim de tarde. Ele com muita paciência me esperou terminar, paciência de amor de pai, só pode ser. Levantou o pescoço, mexeu no seu óculos e disse: Olha Isa, o segredo é o cuidado e a atenção diária que se dá pra elas [plantas].

Lembrei que todo fim de tarde, meu pai chegava do trabalho cansado, depois de um longo dia no escritório e vestia sua butina, um jeens velho e manchado de vernis com outras sujeiras e cuidava do seu jardim. Algumas latas antigas, outras mais novas, mas a atenção e dedicação eram iguais. Todo dia. Dia após dia.
IMG_4968
Meu pai aquele dia me ensinou mais do que a plantar. Me ensinou a ser simples e a ter mais alma do que uma lista imensa na mão do que fazer e toda a tensão nos ombros para conseguir sempre acertar. Me ensinou a sentir, a ser intensa. Me provou que menos realmente é mais, quando se tem vontade para lidar com o que aparece na vida, e tudo então se torna mais sereno. Tudo passa a ser encarado e vivido por inteiro. Tudo passa a crescer e simplesmente ser.
Cheguei em casa, coloquei pedrinhas no vaso, afofei a terra e coloquei a semente. Reguei e admito que até cantei, não custava tentar. Depositei todo o carinho que investi antes da outra maneira deste jeitinho mais meu, confesso. Podia dar certo ou não. E se não der, tem mais pedrinhas, terra, carinho e algumas mãos – e patas – dispostas a ajudar. Algumas coisas precisam ser feitas e refeitas, quantas vezes for preciso, não tem problema. Não mesmo. Desde que em todas as vezes, o coração esteja nas mãos de quem cuida e de quem sonha, mesmo que essa pessoa ainda tenha apenas 22 anos. 
Uma hora o amor que depositamos fala mais alto e tudo passa a crescer naturalmente e a florecer em plena simplicidade. Como a vida deve ser. Como nós, precisamos ser.IMG_2390Hoje a hortinha tem 3 mudas diferentes: hortelã, manjeiricão e cebolinha. Espero conseguir aumentar muito este número. Mas, até agora, tenho que admitir: aquilo que investimos tanto cuidado e carinho, realmente tem um gostinho a mais… um gostinho mais assim, de amor. Sabe? Claro que sim. ♡

Se você gostou desse post, talvez também goste desses: