Por aí

> CHILE – PATAGÔNIA NORTE: Chegamos, LOBERIAS DEL SUR!

28/06/2017

Depois de um dia e pouco em Santiago, 4 dias em Termas de Chillán, partimos para a Patagônia do Norte Chilena. Como já dissemos várias vezes, o Chile é um país bem extenso, mas por conta do aeroporto, precisamos voltar para Santiago para então ir até Balmaceda. Pesquisamos o trecho de ônibus e perderíamos dias, chegaríamos amassados e o preço do avião estava em promoção. Valeu a pena! Contei mais sobre tudo isso neste post aqui.

Chegamos no aeroporto de Balmaceda por volta das 16h e o pessoal do Loberias del sur já estava nos esperando. Por ser um hotel afastado, eles disponibilizam e incluem este serviço nos pacotes o que facilita muito a viagem. O caminho é mais ou menos 2 horas e meia, com uma paisagem tão linda que dá vontade de ficar por ali mesmo por horas. Durante o percurso vimos azul, marrom, cores amarelas, vermelhas até chegar em uma imensidão verde e com chuva. Apesar do cansaço da viagem, não consegui tirar os olhos da janela.


Chegamos, gravamos um tour no quarto, tomamos um banho e jantamos. Essa seria nossa casa por mais 5 dias.

Os pacotes de hospedagem são completos e, assim como no Termas de chillán, incluem alimentação, hospedagem e caso deseje os passeios, guias e alimentação durante lá também. O que é bem importante, pois todos os lugares ficávamos o dia todo fora. Saíamos às 8h e voltávamos as 22h. É seguro, tranquilo e você pode aproveitar com um amigo, namorado ou família sem se preocupar com mais nada desde que pisou no aeroporto. Muito bacana.

O buffet é uma delícia também. Muita gente me perguntou sobre ter opções sem carne e tinham várias! Mas, no momento em que avisei o pessoal do Loberias e em Termas de Chillán, eles sempre perguntavam se eu precisava de alguma coisa e fizeram refeições especiais nos passeios. Por isso, caso você tenha alguma restrição fique tranquilo 🙂

O Loberias del sur é um hotel muito aconchegante. A decoração é linda e dá vontade de abraçar estas paredes de madeira. As luzes amareladas, lareira e tons amarelados são um abracinho para os olhos. Fiquei muito apaixonada, MAS já sabia que ficaríamos todos os dias praticamente aproveitando todos os passeios que eles oferecem.

E isso é assunto para os próximos posts 😛

ACOMPANHE ESTE DIA NO CANAL 🙂

 

Parceiros:

Hotel Loberias Del sur

 

Corrida, Inspirações

> O que você precisa para correr?

27/06/2017

Quando comecei a correr surgiram muitas e muitas dúvidas. Para falar a verdade ainda vivo cercada delas, mas vou correndo assim mesmo. Muitas delas descubro lendo, pesquisando, testando, vendo diferentes textos e opiniões. O que mais aprendi neste curto tempo de corrida é que você precisa ter coração. Agora não falo de ritmo cardíaco, mas sim, do prazer em correr.  Quando estava nos treinos para a meia maratona e depois para a maratona, eu tive uma briga grande com a minha mente. Tudo começa nela. Por muitos dias eu pensava em não ir. Até que tudo se resolvia ao me perguntar “Por que faço isso?”

Corro porque me faz bem.

Então eu amarrava os sapatos e ia.

Tirando todo trabalho mental, alguns acessórios e peças me ajudaram bastante neste percurso. VALE LEMBRAR que, não, você não precisa e nem deve ir para uma loja de esportes comprar todos de uma vez. Comece. Uma hora você vai se perguntar “mas esse porta celular incomoda o que posso usar no lugar?” e quando pesquisar no google, vai achar uma infinidade de produtos específicos. Foi assim que funcionou com a gente. Fomos adquirindo acessórios que facilitaram e deixaram correr mais confortável com o tempo. Fiquei 1 ano com o mesmo tênis para ver se gostaria de correr mesmo. Mais alguns meses para perceber que longas distâncias pedem um top adequado para o movimento e assim vai. Nesse caso: Sem pressa 🙂

Vamos começar? Vou listar os principais por aqui.

  • QUAL TÊNIS DEVO COMPRAR?

Para correr você precisa de TÊNIS. Apesar de algumas vertentes correm descalças, mas deixa pra outro post 😛 . Existem diferentes modelos de tênis para corrida atualmente no mercado, por isso é algo bem pessoal. Eu comecei com um Adidas Glide boost é um tênis ótimo para começar e comprei em outlet por um preço bem honesto. O amortecimento é bacana, tem estabilidade, é leve e protege bem os pés.  Hoje em dia adoro o Adidas adizero adios e estou curtindo o Rebook Harmony road. Nesta matéria demos umas entrevista contando um pouco mais e você também pode conferir a opinião de outros corredores.

  • USE PROTETOR SOLAR!

Ás vezes levanto cedinho para correr ou vou no final da tarde apressada antes de escurecer e me esqueço do bendito protetor solar. Para quem ama correr e deseja praticar por quanto tempo for possível, os cuidados com a pele são essenciais. Nós não temos noção do quanto ficamos expostos ao clima, só quando começamos realmente uma rotina de corrida. Por isso, proteja o seu rosto e corpo! Também é interessante comprar uma camiseta com proteção de Raio UV (preciso disso). Você ficará com umas marcas meio bizarras de roupa, mas vale a pena 🙂

  • NUNCA PENSEI QUE UM TOP FARIA TANTA DIFERENÇA…

Eu sempre fiz atividade física, mas nunca de alta intensidade assim. Quando comecei os treinos para a meia maratona, percebi que o top era algo que me incomodava demais. Achei que fosse problema de postura ou as costas fracas, até ler um pouco mais sobre os tops adequados para correr principalmente longas distâncias. O problema é o contato do suor com o top atritando na pele, desenvolvendo queimaduras e áreas de assaduras na região dos seios. Olha gente… já me machuquei feio, não é gostoso. Até hoje só experimentei 3 modelos de tops da nike e recomendo muito. O site deles é super detalhado sobre o uso de cada um, mas vá até uma loja para provar antes para ter certeza. Já vi algumas corredoras dizendo que nas lojas realizam testes e tiram suas medidas para saber qual é o modelo mais certo para você. Claro que os tops não tiram o fato de precisar colocar uma fita nos mamilos e passar vaselina embaixo dos seios ou axilas nos treinos longos. Não tem jeito! É muito tempo fazendo o mesmo movimento…

  • MOCHILA OU CINTO DE HIDRATAÇÃO

Para quem deseja correr longas distâncias, fugir da cidade ou correr pela cidade, as mochilas de hidratação são fundamentais. Manter- se hidratado durante a corrida é importantíssimo. Principalmente para a recuperação muscular e para repor todo líquido no corpo. O recomendado para nós foi 150-200ml de água a cada 20 minutos. Isso varia muito, principalmente no começo, depois fica quase automático, mas a quantidade e a frequência precisam ser adaptadas para não causar enjoo. O bom é que com a mochila e o cinto de hidratação, você não precisa parar e perder o ritmo da corrida, além da liberdade de poder correr onde quiser. Para trajetos curtos ou até 10km que fazemos no parque, vamos sem e paramos para dar uma “bicadinha” nos bebedouros. Outra opção ao invés da mochila são os cintos de hidratação, o nosso é da Adidas e tem uma capacidade menor de água, mas é ok. Você se acostuma a planejar. Particularmente preferi o cinto e Fabinho a mochila, em mim a mochila não ajustou tão bem no corpo e nele sim.

  • POCHETE COMPACTA OU “DOLEIRA”

Essa é a melhor dica para quem ainda não tem um relógio de corrida ou não planeja comprar. Pelo celular com aplicativos como Strava e Nike running, você pode marcar o tempo e distância das suas corridas. Correr com aquele acessório para braço sempre me incomodou horrores! Logo fui atrás de uma doleira, uma pochete fina e que você pode colocar chave, cartão e também o celular. Em lojas de artigos esportivos tem de algumas marcas, a nossa nós compramos em uma loja simples no interior do Rio grande do sul. É importante que a doleira seja bem ajustável e que se adapte no seu corpo. Experimenta, testa, dá uns pulinhos na loja pra ver se você gosta antes 🙂

  • MEU RELÓGIO, MEU XODÓ!

Ai, eu amo meu relógio de corrida! Sei que os pirados em tecnologia vão me matar, mas amo só pelo fato dele me possibilitar sair sem celular, sem peso e sem me preocupar com a chuva. É tão prático! Demorei um tempo para comprar para ver se eu ia curtir mesmo correr, afinal é um investimento. AMEI E AMEI MUITO. O meu é da Tomtom runner 1, MAAAAS eu não sabia que eu inventaria de nadar, senão já teria comprado o Tomtom multisports ou o modelo que vem cardio junto. Se você tiver condições de comprar o relógio com cardio no relógio vale MUITO a pena! Facilita a vida e você não precisa comprar aquela faixa que incomoda um monte embaixo do peito.

No canal temos uma playlist de corrida onde vocês podem acompanhar um pouco mais de toda a evolução e o que fomos aprendendo 🙂 Espero que ajude!

LET’S RUN!

Interiores

> Quintal, Jardim ou Varanda: O aconchego da casa

26/06/2017

Não há dúvidas que um jardim nos traz paz e sossego para o lar. Não é a toa que vemos cada vez mais apartamentos e casas com espaços para flores, hortas, jardins e toda a variedade da natureza. Além das plantinhas, claro, a decoração rústica traz um toque aconchegante para qualquer espaço.

Separei alguns itens e dicas que eu adoro e, que também planejo um dia, ajeitar aqui em casa dessa forma 🙂

MADEIRA E FERRO: NÃO TEM ERRO!

Uma coisa que somos apaixonados aqui são bancos de madeira. A nossa inspiração para os bancos da cozinha, foram estes bancos tipo de roça com o corte em triângulo na lateral. Para ler, tomar um sol, decorar, sentar com amigos e relaxar no domingo não tem coisa melhor. Gostei muito dos caixotes para horta é exatamente assim que penso em fazer aqui em casa.

Outro detalhe são as armações de ferro que estão na parede. Essas “grades” podem ser compradas e colocadas em molduras de madeira. São ótimas para pendurar vasos e também dar um ar bem rústico na casa com leveza. Acho linda a combinação com os vasos neste tom natural que puxa para o laranja que, junto com as almofadas e o verde das plantas, cria um lugar que você sorri só de olhar, né? 🙂

LUMINÁRIAS E ARANDELAS

Uma boa luz é tudo. E isso não vale só quando falamos de fotografia. Nós particularmente curtimos muito ficar durante o dia no quintal da casa, mas a noite também há um clima super especial. É bacana sempre pensar em como deixar o ambiente gostoso para qualquer estação e em diferentes horários do dia. Para isso as luminárias de bolinha são ótimas opções, além da luz amarelada dar um ar super confortável. As arandelas que podem ser fixadas na estrutura do lugar são interessantes para iluminar pontos específicos como lugar para bebida, leitura, rede, cadeira.

As velas também são perfeitas para completar uma atmosfera romântica. Além de trazerem calma para quem gosta de meditar ou um jantar caprichado. Com armações ou castiçais, a chama permanecerá acesa por mais tempo, mas ainda assim, é interessante tem mais luzes para deixar visualmente mais agradável a vista.

CANTINHO PARA OS VASOS

Temos muitos vasos espalhados pelo muro, chão, escada, mesa, criado mudo e até no banheiro. Mas, não vejo a hora de fazermos armações no quintal para colocar. Separei algumas ideias que acho lindas e bem viáveis de fazer! Essa escada de madeira é linda e perfeita para vasos menores e que não pesem tanto. Você pode deixar na madeira natural ou pintá-la da cor que desejar. Com escada de ferro/alumínio também fica lindo! O modelo aberto é lindo para trazer um ar moderno em qualquer cantinho.

As mesas ou carrinhos de chá são mais difíceis de achar, mas olha que amor! Já vi lugares que utilizaram uma fruteira com rodinhas instaladas e ficou um charme também. Olha alí o ferro! Estas armações, tela pop,  são super baratas. Você encontra em lojas de construção, pois são usadas de forma estrutural. Eu curto muito este tom, mas você pode pintar como preferir. Ah! elas são ótimas para plantas trepadeiras crescerem 🙂

Separei algumas lojas brasileiras que curto muito e que você pode encontrar produtos lindos para o seu jardim:

Collector55 | Casa que tem | Decohouse | ETNA

Qual sua loja preferida? compartilha que a gente adora!

Por aí

> CHILE: Tchau Termas de Chillán – Ida para Patagônia

13/06/2017

No nosso último dia em Termas de Chillán tivemos muita sorte! O sol abriu, estava frio e a umidade era maior. O que deixou a natureza mais encantadora ainda. Fumaça, poeira, terra, cheiro de mato molhado. Nos sentimos bem só de ficar para o lado de fora do hotel. Claro que inventamos de sair para caminhar e, eu não poderia deixar de compartilhar com vocês todas as cores deste dia por aqui também!

         
Descobrimos que a gente não só ama, como precisamos disso. Deste contato mais de perto, mais profundo, ainda que dentro do que nos passava segurança. Ver toda aquela imensidão e subir tão alto para ficar pertinho a 3km de distância dos vulcões Chillán foi uma experiência surreal que encerrou com um presente da natureza. Este dia não poderia ter terminado de forma mais especial!

VIAJAR DE TERMAS PARA PATAGÔNIA CHILENA

Nossa noite terminou em pisco sour! Uma bebida que todos os chilenos tomam em momentos de diversão e para confraternizar. Nesta mesma noite saia o nosso ônibus da rodoviária de Chillán para Santiago. Saímos com o transfer do hotel por volta das 22:30h e chegamos na rodoviária quase 24h. Nosso ônibus saia no início da madrugada, então chegamos em Santiago bem cedinho as 6 e pouco da manhã. Dormimos toda a viagem. Vale dizer que achei o ônibus da Turbus bem confortável – ou o sono era tanto que capotei e nem vi nada.

Chegamos em Santiago e o metrô nem tinha aberto. Como estávamos dentro da estação foi tranquilo. Esperamos junto com um monte de gente, pegamos o metrô e seguimos para a estação do Hostel Forestal. Antes de sairmos de Santiago, comunicamos o lugar que teríamos esta janela de tempo. Eles ofereceram um guarda volumes no hostel para deixarmos as malas para caminharmos. Ficamos por lá passando os vídeos da viagem e nossas coisas. Buscamos um lanche e partimos com o Transfer do Venturas Viagens para o aeroporto de Santiago. O pessoal do Venturas é super pontual e mantivemos contato todo por whatsapp para confirmações. Vale conferir o trabalho deles no Youtube, onde contam sobre viagens e roteiros em lugares do Brasil e pelo mundo.

Chegando no aeroporto fizemos todo o processo normal. Vale lembrar que o valor das nossas passagens para Balmaceda saíram em conta justamente por não comprarmos passagens com direito a despachar bagagens. Por isso, fomos com malas pequenas e que caberiam na cabine do avião. Chegando no aeroporto… Ah! Isso fica pra outro post 🙂

Apesar de tudo isso ser Chile se, olharmos no mapa, nós viajamos um bom bocado…

É, esse mundão é grande demais. Ainda bem que o nosso coração também.

Parceiros:

Hotel Termas de Chillán
Venturas Viagens

AMOR, CRÔNICAS

> Ele

12/06/2017

Era janeiro quando o conheci. Ele era em essência exatamente como é hoje. Conheci ele de tênis, mas depois só o vi de chinelo nos pés. Em poucas horas foram incontáveis as vezes que chorei de rir. A piada dele fazia sentido e, se não fizesse, valia a pena rir só para vê-lo sorrir. Decorei os sorrisos dele em poucos dias. Vivemos anos em semanas, séculos em um mês. Não contamos dias, não marcamos datas e até tentamos fugir um do outro – mas não deu. A gente se queria assim: juntos.

Ele gostava de conversar assim como eu, mas a gente sabia a hora de ouvir o outro, não era preciso pedir. Desde o início ele queria me ver sorrir e, quando eu começava a chorar sem motivos, era ele quem ria de mim. Organizei a caixa de contas dele como se fosse minha, fez sentido pra ele. Ele me deu um livro que faltava na minha coleção. Ele observava tudo e todos sempre. Parecia uma boa companhia para conhecer e criar memórias pelo mundo.

Ele gosta do verão, sol e dias de céu azul, mas me ensinou a curtir um dia sem fazer nada, coisa que eu nunca consegui, como ninguém. Com ele era confortável pensar que tudo bem não querer fazer e resolver tudo. Afinal, tínhamos ali tudo, sem saber disso. Quando descobrimos, ele resolveu me pedir em namoro. Já tínhamos nos pedido sem pedir há um bom tempo. Ajoelhamos juntos: sempre estivemos no mesmo nível.

Ele conquistou tudo. Meus amigos, família, bichos e até ex meu. Bom de contar histórias, fazer contas, pegar um violão quando ninguém espera e servir algo gostoso para comer sem ninguém dizer que está com fome. Ele é um anfitrião de primeira, sem esforços. Ainda bem que isso foi contagioso, eu era péssima. Um grande parceiro para dormir, chorar, fazer uma receita de bombom na madrugada ou cantar músicas bregas de karaokê. Casamos, adotamos cachorros, reformamos, construímos, erramos receitas, nos trancamos para fora da casa, viajamos, rimos e brigamos. A gente vive sem medo de passar perrengue com o outro.

Ele sempre acreditou em mim, desde o nosso primeiro encontro que não teve encontro. Acreditou que eu poderia fazer um móvel sozinha, carregar 20kg de ração e correr uma maratona. Acreditou tanto, que torcia para que eu acreditasse sozinha, pois senão, de nada adiantaria. Ele sempre me viu tão humana e isso chegava a assustar. Infelizmente, isso é raro. Ele vê beleza quando estou com as mãos calejadas e unhas quebradas cuidando de uma planta e quando resolvo passar um batom vermelho pra ficar em casa. Gosta que eu me sinta confortável e não tem opinião sobre o meu corte de cabelo: prefere o que eu achar mais prático e me fizer sorrir para o espelho.

Ele me deu seu silêncio, suas palavras, seu ombro, olhos nos olhos, seu tempo e aperto de mão firme seguido de um abraço. Ele sempre diz que eu quem o ensinei abraçar, mas, na verdade, nossos mundos se aconchegaram. Foi fácil. Ele me ama pelo o que eu sou de verdade: do meu lado mais sereno ao mais triste e sem controle. Sabe o que me irrita e o que me tira o fôlego de tanta alegria. Ele sorri quando eu sorrio sem saber o porquê. Ele é feliz por mim. Isso é tão raro também. Ele sonha meus sonhos. Chora minhas lágrimas, toma minhas dores e deixa eu lutar minhas batalhas.

Ele é meu amigo. Uma parte profunda de mim que eu não conhecia. Tenho ele no coração e na pele. No cheiro, nas roupas que dividimos e na mistura de sotaques que é só nossa. No nosso mundo há espaço para o dele e o meu. É um mundo imperfeito que funciona pra nós e para as nossas esquisitices. Desejo a ele toda felicidade do mundo e sei que é apenas isso que quer a mim também. Mesmo quando às vezes a gente se faz chorar, nunca vemos o sol nascer assim. Ele é do tipo que sempre diz perdão antes. Ele aprendeu a escolher a ser feliz e não a ter razão antes de mim. Tenho tanto para aprender com ele. Às vezes penso que talvez este tempo seja pouco. Ele me diria que é o suficiente. Acredito nele. Chama isso de amor, namoro, casamento, amizade. E é tudo isso mesmo.

Sigo vivendo ao lado dele. Algumas vezes colados, outras mais distante, mas temos o mesmo rumo desde que o conheci. Tentar ser mais. E transbordar: de janeiro a janeiro.

Eu, que nunca acreditei em sorte, vivo ao lado dele me sentindo sortuda: Ele é o cara mais da hora que conheci.

CRÔNICAS, VIDA

> Continue a sonhar…

05/06/2017

Um dia uma professora de literatura tomou da minha mão um caderno em que eu escrevia. Eu contava que aquilo uma hora iria acontecer, afinal eu vivia com ele colado em mim. Eu diria que aquele caderno grande e de capa dura, era quase uma extensão dos meus confusos e intensos pensamentos. Eu passava aulas e aulas escrevendo, olhando ou batucando a caneta nele. Não era por mal: eu estava apenas escalando dentro de mim.

Aquela professora de literatura era alta, com cabelo curtinho e tinha uma voz forte e grave. Ela era do tipo que fazia todo mundo gostar da matéria dela, devido a paixão que transmitia em cada frase que recitava. Ela era exigente e, por muitas vezes, brava. Portanto eu sabia que estava ferrada. No final da aula ela me chamou, esperou todos saírem para o intervalo, me entregou o caderno com um sorriso no rosto e mantendo todos dentes visíveis, disse:
– continue escrevendo.

Eu não tinha muito o que dizer. Ninguém nunca tinha aberto aquele caderno além de mim, por isso estava um pouco envergonhada. Abracei o meu caderno, fui até a minha mesa, agachei e o coloquei no bolso mais escondido da minha mochila. Ajustei meu agasalho no corpo, acenei com a cabeça e sai apenas escutando o som dos meus pés no piso de madeira. Nós duas nos entendemos naquele silêncio. Eu continuaria a escalar e ela me ajudaria a criar asas.

Por anos mostrei meus pequenos versos para ela. Ela sorria, me entregava e sempre dizia firme, “continue”. Ela não fazia nenhuma marcação de caneta vermelha e nem colocava uma nota no canto direito do papel. Continuei a escrever, mas com o tempo passou a ficar mais difícil. Eram verbos, conjugações, acentos, pontos e vírgulas para me preocupar. Resolvi um dia perguntar para ela sobre uma dúvida em um texto e ela bateu a capa do caderno, como se fosse uma gaveta antiga, com força e apenas me disse: continue.

Um dia ela leu e não sorrio. Pensei ter escrito besteira, mas pude ver uma lágrima que ela não fez questão de enxugar, presa no cantinho dos olhos. Peguei meu caderno, não disse nada e caminhei em direção a saída. Antes de passar pela porta, ela disse:
– continue com o coração.

Naquela idade eu não entendia bem o que aquilo poderia significar. Achei que era mais uma das maluquices da cabeça dela. Anos depois, eu colecionava cadernos e arquivos .txt no computador sem nunca mostrar para ninguém. Até que chegou o dia em que a pessoa que eu estava envolvida, leu um texto que eu tinha deixado aberto no computador e me disse:
– caramba, você assassina o português. Dei uma risada alta, forçada e respondi com ar de indignação:
– isso aí? não é nada. Nem deveria estar aí.

Com dor no coração eu coloquei as mãos no mouse e deletei o arquivo na frente dele. Eu estava errada e sabia. Aquilo era sim alguma coisa. Era algo que meu coração, com palavras tortas e erradas, tentava dizer. Nunca mais escrevi. Bem tonta.

Depois disso tive 3 blogs onde eu atualizava e uma semana depois apagava. Não compartilhava com ninguém e torcia para que ninguém lesse. Um tempo depois, me vi sozinha e escrever virou minha melhor companhia. Comecei a tentar estudar, ler, me informar e passei a me importar em concretizar. Eu me ouvia, criava, escrevia, fotografava e pintava. Fazia o que sentia que gostaria de fazer abraçando todas as imperfeições.

Um dia conheci alguém que se tornou meu grande amigo em poucos minutos de conversa. Ele viu uma foto e leu um texto meu e olhando nos meus olhos, me disse:

– você deveria considerar trabalhar com isso. Ri na cara dele. Falei que nunca ninguém entenderia minha cabeça confusa e, ele ainda olhando para o texto, continuou:
– ainda que alguém irá revisar para você futuramente, podemos melhorar tudo isso juntos com o tempo. Mas continue.

Continuamos até hoje amigos e me tornei esposa dele. Também continuo até hoje assassinando o português, errando regras de fotografia e falando de maneira confusa muitas vezes. Não me orgulho. Leio, me informo, releio, pesquiso: merdas passam, a essência fica. Decidi que não iria mais virar um entulho de sonhos por medo de errar ou por tentar sempre acertar em tudo. Com tudo. Com todos.

Hoje não sou expert em nada, somente em falar e dar ouvidos ao coração. Em resposta leio mensagens e recados que me fazem dormir em paz, pois mais do que ganhar o prêmio da língua portuguesa ou um troféu na fotografia, consegui tocar um coração ou causar uma reflexão sobre a vida.

Continue. Com o que você tem, com o que pode, com o que sente, com a sua verdade. A gente aprende. Continue.

Se não tem aquilo, vai com isso. Se falta outra coisa, teste e valorize a que tem.
Só não desista do que te faz bem e traz paz. Alguém precisará cruzar com isso no caminho da vida e ficará com o que é bom e é essencial.

Você já sabe o que eu vou dizer agora, mas repito quantas vezes forem precisas, pois repetiram e repito todos os dias para mim…

Continue. Continue com o coração.

Por aí

> CHILE: Nosso segundo dia em Termas de Chillán foi apaixonante

31/05/2017

Um dia eu tenho que parar quieta né? Pois bem, esse dia chegou hahha. Particularmente eu amo dias mais cinzas e até com aquela garoinha “pega gripe” como dizem. Mas, é preciso reconhecer que em viagens, dias assim pode desanimar um pouco. Apesar da chuva deixar tudo mais dramático, ela também deixa mais bonito. As folhas ficam mais vivas, o cheirinho de mato e aquele toque de aventura que é preciso ter. Este foi um dos dias mais lindos em Termas de Chillán. Apesar de não ter aquele sol dourado e brilhante de outono, estava incrível! Fizemos um passeio a cavalo, tomamos um cafézinho e corremos para aquecer o corpo na água termal.

No mesmo dia o pessoal do hotel propôs um almoço para que o chef cozinhasse na nossa frente. Eu AMO ver gente cozinhando. Ele fez todo o prato do Fabinho tão rápido que parecia um miojo, hahah. Só que muito não né.

Demos um tempinho e fomos conhecer o SPA do hotel. Eles possuem vááários tratamentos por lá. O que todos me indicaram foi este que se chama Fango, que é um barro termal que faz a esfoliação e hidratação da pele. GENTE. A noite minha pele estava parecendo um travesseiro. Fiquei em choque e com dó de viver, querendo manter aquele pele pra sempre hahaha

A chuva parou e Fabinho invocou que queria uma foto minha ali na ponte. Caminhamos um pouco e depois retornamos para o hotel. Foi um dia bem relaxante e bem gostoso para quem deseja fazer uma viagem em casal, bem ao pé da letra quando falamos em lua de mel. Termas de Chillán é encantador para ter um momento tranquilo, romântico e agradável com quem você ama – apesar de nós dois sermos bem crianções e curtir uma farra, acho que deu pra sentir o clima gostosin no ar, né? 🙂

ASSISTA ESTE DIA LÁ NO CANAL 🙂

Parceiros: Hotel Termas de Chillán | Seguro Viagem