Por aí

> #NNVVIAJA: SP até Minas –Dia 2

20/09/2017

Nosso dia 2 começou cedo, aproveitando para fazer uma corridinha no Banhado, uma calçadão bem famoso em São José. Vimos um sol mágico, com um luz dourada linda. Foi incrível! Tomamos café no hotel e partimos em direção a Monteiro Lobato.

  • PRIMEIRA PARADA: MONTEIRO LOBATO

Como comentei com vocês no dia 1 da viagem, nós estávamos total pela família e momentos juntos. Não pensamos em pesquisar muito sobre os lugares. Mas vale contar que o município de Monteiro Lobato foi fundado em 1880 por tropeiros e imigrantes italianos. O escritor José Bento Monteiro Lobato contava sobre o contato com a natureza que aconteceu na Fazenda São José do Buquira, hoje conhecido como Sítio do Picapau Amarelo. Ele permaneceu de 1911 a 1917 
almoço do compadre. Fez parte da minha infância. Ficamos pouco tempo só para esticar as pernas, tomar uma água, ver o centro e partimos para almoçar no restaurante Do Compadre. Vale dizer que se um mineiro diz que 1 prato serve para 2 pessoas, na verdade ele serve para 4! hahaha sério, é muita comida!

  • SEGUNDA PARADA: BRASÓPOLIS

Em Brasópolis passamos para entregar uma lembrança de família do meu sogro. Curtimos a praça, tomamos sorvete de massa e sentamos por lá. Depois seguimos mais um pouco a viagem em direção a um lugar turístico e que muita gente não vê a hora de chegar na viagem: pé de moleque, hahahah.

  • TERCEIRA PARADA: PIRANGUINHO PÉ DE MOLEQUE DA BARRACA VERMELHA

Fomos a viagem toda seguindo o carro do meu sogro, quando vimos eles encostaram em uma parte da estrada, onde tinha mais uma fila de carros: O que aconteceu? Quando entendi, nos lembramos que um tempo atrás paramos naquela barraca, mas ela era muito mais simples. Desta vez estava quase um shopping, hahaha. Eu estava muito cheia, por isso nem comi nada naquela hora, mas dizem que o pé de moleque da barraca vermelha é o mais tradicional, produzido desde 1936. Comprei uma caixa para os meus pais e seguimos viagem com Fábio e Fernando comendo todos os tipos de doces com amendoim que você pode imaginar. Ah! o preço é super justo 🙂

  • QUARTA PARADA: ITAJUBÁ

Mais um tempinho depois paramos em Itajubá, um município de Minas com 90 mil habitantes. Ficamos no Hotel bramig, que era bem espaçoso, simples e confortável. Além de ter um banheiro grande para um único detalhe que tivemos na viagem, hahahah e vocês verão no próximo vlog 😉

Esse foi o nosso segundo dia de viagem! O clima estava super gostoso e pudermos rir muito em família. Nosso maior propósito 🙂

PARA VER MAIS DESTE DIA ASSISTA NOSSO VLOG

AMOR, CRÔNICAS

> O que ninguém te contou sobre o amor

18/09/2017

Passamos a vida escutando que um amor muda as nossas vidas. Lemos livros sobre a sensação de sentir borboletas no estômago, quebrar a rotina e não estar mais só. Não vou dizer que não é verdade, mas acredito que o verbo Amar é muito mais que isso. Não podemos nos esquecer.

O que ninguém te contou sobre o amor é que seria uma coisa bagunçada e sem ensaios. Ele não saberia o que queria da vida, você muito menos e, se soubessem, talvez sentissem dúvidas se fosse o momento certo de se envolver. Ninguém te contou que vocês não teriam uma noite perfeita como em filmes, mas, sim, ela seria completamente inesquecível. Afinal, toda história de amor é – inesquecível e bagunçada como precisa ser.

O que ninguém te disse sobre o amor é que o frio na barriga existe, mas o que o amor quer de nós é disposição para permanecer e lutar para que a cumplicidade e admiração não se percam com o passar dos anos. Dormir, viver e acordar com o outro não cansa, ver o parceiro de pijama furado, meia rasgada e passando mal de virose, faz parte. Amar é dividir tudo: o bom e o que parece nem tanto, somente para tornar a vida mais fácil – ou pelo menos mais divertida. Ninguém te disse que mesmo depois de tantos anos, ver aquela pessoa ao acordar ainda faria o teu dia incrivelmente mais feliz. Amar não enjoa, se renova.

Ninguém te contou que o amor não teria sentido algum. Em algumas discussões ele falaria A e você B, sem se importar em ouvir o que o outro tem a dizer. Você quer comprar C e ela D. Pois é, ninguém te disse que o amor te faria ter brigas super bestas iguais a que você tinha com o seu irmão com 8 anos de idade e, que aquela mesma pessoa que te faz incrivelmente feliz, também um dia te fará chorar. É verdade. Amar é dar tempo e espaço. O maior aliado para aprendermos aquietar o nosso ego e construir uma amizade forte e profunda.

Ninguém te disse que vocês nunca parariam de enfrentar os pepinos da vida. Ela teria que ficar até tarde no trabalho, ele gostaria de ficar em casa, o dia dos namorados cai na data do plantão e as férias não se coincidem. E tudo isso é muito pouco. Ninguém te disse que o amor está em passar um café sem o outro pedir, cuidar de todos os problemas da casa quando um fica doente, comprar o doce preferido no mercado, curtir uma segunda feira no sofá comendo pizza com as mãos e passar um sábado a noite consolando quando um não está tão bem.

Ninguém te disse que a vida é no plural, mas o amor é próprio. Também não há nada como sair, comprar, comer e fazer algo que só a gente gosta, quer ou está afim. Sem precisar de desculpas ou grandes explicações. Amar é ter duas pessoas individuais vivendo juntas e saber que no final do dia que aquela será a primeira pessoa que você ligará para dizer uma novidade, pedir um conselho ou contar uma fofoca. Ninguém te disse que amar dar trabalho e que a remuneração é a paz de ver aquela pessoa única no seu mundo dormir tranquila.

Será redundando dizer, sei que já te disseram, mas todo amor que passa na nossa vida realmente nos muda. Ninguém te disse que não importa o quanto podemos tentar descrever, contar ou dizer do amor e não adianta de nada tudo isso que me esforcei para expressar ou que qualquer outra pessoa irá contar: só o amor poderá te dizer como acontece PARA VOCÊ. Depois me conta 😉 Falar de amor nunca é demais.

Por aí

> #NNVVIAJA: SP até Minas – dia 1

13/09/2017

Das viagens deste ano, esta foi a única que estávamos nos preparando um bom tempo antes. Na verdade, desde conheci a família do Fabinho, o pai dele sempre nos disse que gostaria de fazer um passei com todos nós juntos. Mas era um missão impossível conciliar agendas, dinheiro, horários e tudo mais de tanta gente. Fomos adiando, adiando até que ano passado tivemos algumas complicações de saúde da minha sogra que descobriu um câncer no ovário. Hoje, ela está ótima e tudo ocorreu muito, mas muito bem e tão bem que nos trouxe algumas lições para todos da família, como o pensamento de: VAMOS DAR UM JEITO AGORA. Conseguimos agendar e marcar de viajarmos todos juntos neste meio do ano. O LUGAR? Pensamos em tantos e tantos e acabamos escolhendo o trajeto mais nostálgico e familiar para o meu sogro e suas raízes mineiras.

  • COMO FOMOS

Estávamos em 7 pessoas e alugamos 2 carros. Pensamos em alugar um carro grande, mas financeiramente ficaria bem mais caro. Então, nos dividimos e fomos em dois veículos. Particularmente, eu e Fabinho amaaaamos viajar de carro. Ainda mais com música boa e muito assunto para conversar. Ah! você pode ouvir a playlist da nossa viagem aqui. A proposta era ir sem pressa, curtindo o caminho, cidades pequenas e falar muita besteira juntos. Só! 🙂

  • PRIMEIRA PARADA: ONDE FICAMOS

Saímos de SP e fomos pela BR-116 para fazer uma parada em São José dos Campos, onde Fabinho tem tios e familiares. Lá ficamos hospedados no hotel Dan Inn, super tranquilo e que compensa para esta virada de dia. No dia até rolava uma promoção de groupon e o local estava bem cheio. Caminhamos um pouco, fomos até uma padaria que ficava bem próxima para tomar um café rapidinho e nos ajeitamos para ir noite até a Charme Pizzaria que achei uma delícia! Quem estiver por lá, vale a pena dar um pulinho para um jantar 🙂

Nosso primeiro dia foi bem tranquilo. Rimos, cantamos, vimos um pôr do sol incrível e comemos. Uma boa combinação eu acho 😛

PARA VER MAIS DESTE DIA ASSISTA NOSSO VLOG

CRÔNICAS, VIDA

> Um pouco de paz

11/09/2017

Semana passada eu decidi ter uma semana em paz. Ao contrário do que você pode imaginar isso não significa que fui à praia, deitei na rede e tomei água de coco. Vivi minha vida normal, só que com uma cabeça diferente.

Eu não sei se existe uma síndrome para isso, mas meus pais diziam que eu “queria ser adulta rápido demais”. Sempre fui muito focada, concentrada e se tenho algo pra fazer, eu não paro enquanto não terminar. Eu sempre tentei me virar e dar um jeito de ter o meu dinheiro desde muito nova. Fiz bijuteria, pintei telas, vendi roupas em salão de cabeleireiro: Eu queria inventar o meu mundo. Por consequência isso me deixou apressada demais para resolver, fazer e produzir.

Atualmente, estou MUITO LONGE de ser como era quando comecei a trabalhar. O tempo nos faz aprender muitas coisas. Dentre elas, aprendi a respirar, tomar um café demorado se preciso e sair para passear com os cachorros se não tem o que fazer com um problema e só me resta esperar. Porque estou contando tudo isso? Pois eu ainda assim vivia com um pézinho de guerra com a minha agenda. Ou melhor, com a minha cabeça.

Eu diria que eu sou uma pessoa focada e sou, mas sou até demais. Ao ponto de se estou digitando aqui, eu não respondo ninguém ao redor. Isso resultou em várias vezes me desdobrar para resolver coisas que poderiam ser feitas com mais tranquilidade ou até mesmo de aceitar que algumas vezes terei atrasos. Também faz parte.

Decidi fazer uma semana com mais calma e descobri que isso não tem segredo: Sentei, gravei e editei. Não me stressei com a sujeirada no quintal, a campainha que não parou de tocar, o vizinho gritando fazendo meu vídeo demorar mais que o normal para se terminado. Acordei ainda mais cedo para correr, aceitei falhar no almoço e comer um sanduíche, não bufei por ter que esperar 30 minutos para exportar um arquivo e não dormi me sentindo mal por não conseguir vencer e responder todas as mensagens que recebi. Deu problema? Vários, como sempre. Porém tentei parar para pensar que isso faz parte, acontece e só me resta resolver para continuar meu dia como estava previsto. Caso não fosse urgente, o problema que me esperasse. Me esforcei muito no primeiro dia. No segundo e terceiro passei a agradecer muito mais por não estar tão fora do meu eixo. O que me deixou mais forte para acredito que as coisas acabariam bem de alguma foram no outro dia, no outro e no outro…

Aprendi a me aceitar mais humana esta semana. Posso errar, esquecer de pendurar a roupa no varal sem sentir que abandonei a casa e parar para retribuir um abraço de quem eu amo no meio do trabalho. Esta semana percebi que temos na nossas mãos duas opções: solucionarmos um problema e deixá-lo ir ou fazer exatamente a mesma coisa reclamando e permitindo que a cabeça pese mil vezes mais.

Esta semana produzi mais do que o normal. Hoje já acordei exausta, mas com a cabeça mais tranquila de que fiz meu melhor e continuarei tentando fazer. Algumas coisas não consegui resolver, em compensação outras me surpreendi que foram possíveis de realizar e a vida segue.

A gente sempre tem uma escolha. Seja ela qual for, dará trabalho, mas uma delas pode nos fazer respirar fundo mais leves no final do dia.

Semana passada decidi optar por um pouco de paz de espírito.

Que vire rotina!

AdoCão

> 5 ANOS DE LUCY

05/09/2017

Aquele foi um dia comum super incomum

Chuviscou o tempo todo naquele dia só para deixar a história mais dramática e real, mas, ainda assim, era um dia comum como outro qualquer para nós. Quer dizer, a gente pensava. Ele iria para um estúdio trabalhar com sua barba desgrenhada e ela trabalharia em casa ao som da televisão que nem ao menos assistia – ligava só para ter barulho na casa como companhia. No fim da tarde ele liga, contando que brincou com uma cachorrinha linda, dócil e super carinhosa na rua. Isso, pra gente, não é novidade nenhuma. Já chegamos ao extremo de carência canina de entrar em um hotel de cachorros, fingir ter um, só para brincar e ser lambido por todos os cachorros de lá. Isso era o que aconteceria na nossa cabeça. No final todos os cachorros ficavam protegidos por um vidro para um imenso quintal. Saíamos de lá pensando que estava na hora de aumentar a família. Está na hora de termos mais um para esmagar em uma noite gelada, alguém para preencher o barulho da casa em um dia calado, animar os passeios e ouvir nossos desabafos com uma opinião neutra.
Era isso tudo o que faltava.

Mas não é bem a gente quem decide essas coisas.

Aquele dia ele me contava com uma empolgação extrema que ela era super companheira e já andava ao lado do filho do amigo dele sem coleira e eu, nesse momento, estava sentada no sofá sorrindo, com uma mão segurando o celular na orelha e a outra esfregando os meus pés gelados de frio ouvindo toda a saga daquela cachorrinha perdida. E o fim da história? Ele chegou em casa, me mostrou a foto que ele e a cachorra tiraram juntos e me contou que ela tinha encontrado um lar: iria embora com o filho do amigo dele para a casa e teria uma nova vida, um novo rumo, teria quem chamar de família. E isso, pra quem, como nós, adora um final feliz com um cachorro a salvo, era o melhor dos finais que poderíamos ter aquele dia.

Eu pensava comigo mesma o quanto aquela cachorrinha tinha de sorte por estar no lugar certo e na hora certa, mas quem estava, na verdade, era ele. Ele sorria feito besta com ela nos braços na foto.

Esse era só o fim de um dia comum e bem feliz para aquela cachorrinha. E eu? Ainda estava na companhia vazia do barulho da TV ligada, abraçando meu café entre as mãos e passando um frio danado nos pés. E ainda não era inverno. Era um frio que cobertor nenhum consegue resolver e esquentar. Um frio de casa vazia. Um frio de um novo momento na vida de quem vivia a vida em quatro pés – e precisava de um algo a mais.

No meio do caminho tinha uma cachorra

O dia seguinte ao dia comum, começou mais comum ainda. Era dia 06 de abril.
Eu tirei meu pijama, lavei o rosto, fiz meu café, trabalhei, almocei, tomei outro café, me despedi dele e segui caminho para fazer a minha última prova da faculdade. Meu celular tocou e por um instante não o atendi – odeio falar no telefone e odeio falar no telefone em ambiente fechado com outras pessoas. Era rotina até as 16h30, mais ou menos, até que..

Ele acordou cedo, vestiu uma roupa qualquer, lavou o rosto, ajeitou a barba, tomou café, se despediu de mim, foi trabalhar e me ligou. Desta vez, eu atendi.

Atendi o telefone e, quando desliguei, lá estava ele me contando o clímax da semana, do mês, do ano e até mais. A rotina, para terminar o meu dia, seria a mesma, mas eu sabia que algo seria diferente quando eu abrisse a porta do quarto.

“Mas que cachorra?” E ele desligou o telefone e só sabia que ela tinha 19 quilos, porte médio e que eu surtaria quando visse o tamanho dela em 45m². Com 0 ou 10 na prova, eu só queria estar em casa e poder viver tudo isso que eu já sentia em outro lugar.

O dia já não era mais comum e, desde então, nunca mais foi – e a gente queria isso já fazia tempo. Seríamos um time. Ou melhor, já éramos desde as 16h30 da tarde, pois no meio do caminho tinha uma cachorra, com o desenho de um coração no fuço, que seria o começo de muita coisa: uma família. Pois um lar, já éramos há tempos.

“A cachorra da foto”, ganhou o nome de Lucy e nossos dias nunca mais foram os mesmos. O maior achado que a vida poderia nos dar. A responsável, desde então, pelas nossas melhores histórias.

Depois deste dia, sempre atendo o celular quando ele me liga e, se ele diz “achei algo legal e acho que vou levar para a casa”, eu só digo sim. Êta cara de sorte!

Afinal, ele achou um diamante na rua.

 

 

Ps: Escrevi esses 2 textos 3 anos e meio atrás e foi impossível não postar aqui.
Agradeço todos os dias por estes dias terem existido.

Pedaços+Momentos

> Agosto trouxe um pouco mais de cor(ação)

04/09/2017

Essa foi a última semana de agosto, um mês que não foi fácil, mas que me ensinou muita coisa. Na verdade, acho que agosto foi necessário. Assim como todos os momentos que passamos na vida e não conseguimos entender o porquê temos que viver aquilo. A gente sempre tem.

Agosto foi um mês desconfortável: silencioso, morno e cheio de inquietações. Aquele choque de que logo mais um ano acaba e outro começa. E assim vai. Agosto me ensinou a esquecer um pouco o calendário quando se trata do coração – logo eu, que tenho 2 agendas e 3 calendários. Agosto foi mês sofrível para a horta que lutou bravamente com os dias mais secos, mas que cresceu muito quando veio a chuva. Foi mês de apertar a velocidade, aumentar a distância e ir contra a preguiça.

Terminamos a semana com muito do mesmo com gostinho de novo. Mudamos nossos escritórios de sala, deixamos nosso mundo mais com nossa cara e espaço. Doamos roupa, sapatos, tiramos excessos, desfizemos do que estava pesando para manter tudo mais leve.

Colori e flori a pele para a alma sorrir.
Me dei outro coração, pois quero espaço para mais vida.

Agosto foi necessário, eu não disse? 🙂

Tatuadora, amiga e querida: @respiroink

 

 

AMOR, CRÔNICAS

> A gente se ajeita

29/08/2017

A gente se ajeita, eu sei.

Quando o café amarga ou acaba e, com ele, escorre junto a fé, eu sei, a gente se acalma
com um abraço apertado no meio do corredor, sem precisar conjugar qualquer verbo pra se comunicar. Quando o céu esta azul, cinza ou uma tempestade que parece não ter fim, eu sei, a gente se prepara.
Depois da chuva, é hora de nascer as flores.

Quando a vida nos sorri, a gente solta o riso frouxo de volta em coro.
Quando ela resolve testar nos fazer chorar, a gente se dá chance de recomeçar. Juntos.
Quando os dias são incríveis, normais, tediosos, corridos ou sem sal, eu sei, a gente se tem para sentar no beiral da porta e dividir um facho de sol.

Quando surge o medo, a vontade de fugir e a vida não nos traz respostas, a gente inventa novas perguntas ou para de querer sempre saber de tudo.
Quando o trabalho dá errado, a auto estima vai pro saco e as contas vieram a mais, a gente agradece e janta a luz de velas com o que sobrou do almoço na geladeira.
Quando o fogão não funciona, o liquidificador pifa, a frigideira gruda e a taça quebra, eu sei, a gente não tinha uma boa máquina de lavar até alguns meses atrás. A gente está em construção: de dentro pra fora.

Quando é difícil aguentar o mau humor do outro e o cansaço bate até para resolver e conversar, a gente ainda se encaixa. É só um dia puxado.
Quando os problemas de todo tipo aparecem, a tristeza dá as caras ou a incerteza assombra, eu sei, a gente tem que agradecer
por poder respirar e por termos uns ao outro para de alguma forma fazer tudo se ajeitar outra vez. E outra vez, outra vez…

Quando tudo e mais um pouco acontece e, no meio da rotina a gente esquece que a gente sabe que pode se ajeitar, a vida dá jeito com a maneira que precisamos para aprender.
Quando a gente pensa que consegue fazer tudo se ajeitar e tudo continua na mesma coisa, eu sei, a gente aprendeu a rir da vida e um do outro como ninguém.

Quando tudo está de ponta cabeça, revirado e do avesso, eu olho para os olhos do meu melhor amigo para ele me dizer: A gente se ajeita.

Só para me fazer lembrar que encontrei a pessoa certa para não cansar de fazer tudo se ajeitar. Quantas vezes forem precisas. Em quantas vidas tivermos.

as coisas se ajeitam, com amor.